0

Dá pra usar tecnologia de bitcoin pra compartilhar dados de saúde?

Muita gente deve ter ouvido falar de blockchain depois de todas as histórias envolvendo o bitcoin. Pra resumir, blockchains são uma tecnologia desenvolvida para facilitar transações monetárias e evitar a necessidade de um terceiro confiável que verifique as transações e garanta a segurança dos dados e a privacidade das partes envolvidas (como faz uma operadora de cartão de crédito, por exemplo). Eles são, essencialmente, um registro distribuído de informações de transações, descentralizado e sem uma autoridade central proprietária. Essas informações são dispostas em blocos (block) organizados em cadeia (chain), e cada bloco é armazenado permanentemente e não pode ser alterado. Quando um bloco é concluído, um novo é gerado automaticamente com referência ao bloco anterior. A segurança é garantida pela verificação por milhares de computadores distribuídos na rede, de acordo com parâmetros definidos. Novas estruturas de blockchains começaram a ser desenvolvidas para uso em outras áreas, como turismo, energia ou sistemas de saúde.

Já há alguns anos, as autoridades de saúde de diversos países fazem esforços contínuos para digitalizar informações dos usuários dos sistemas de saúde e também para tornar essas informações acessíveis sem comprometer a segurança dos dados. No entanto, essa tarefa não é tão simples assim. Informações incorretas são a causa principal de erros médicos e a falta de uniformidade no armazenamento dos dados dificulta operações entre os diferentes sistemas e restringe a capacidade dos profissionais em prover tratamentos apropriados. Nos EUA, por exemplo, quase 90% dos médicos usam um sistema digital, mas nem sempre os diferentes sistemas são compatíveis. Essa falta de compatibilidade pode ser fonte de erros graves, como falhas no envio de informações de pedidos ou resultados de exames. No Reino Unido, o plano era digitalizar todos os prontuários até 2018, mas a prazo foi sendo adiado e agora está em 2023. No Brasil, o Ministério da Saúde tornou disponível o e-SUS AB, uma plataforma gratuita, mas as unidades de saúde podem optar por usar sistemas próprios e os dados só ficam disponíveis para as redes municipais.

Uma solução possível para o compartilhamento seguro desses dados seria o uso de estruturas de blockchain para melhorar a operabilidade entre os diversos sistemas implementados nas unidades de saúde, ao juntar informações sobre um mesmo usuário oriundas de sistemas independentes. Essa tecnologia também é flexível o suficiente para permitir que algo conhecido como smart contracts, ou contratos inteligentes, que são linhas de código que são executadas apenas quando determinadas condições são verdadeiras, garantindo a segurança dos dados e impedindo o acesso não autorizado. Além disso, os custos diminuem ao retirar o intermediador (empresa que provê softwares de prontuário eletrônico, por exemplo) e ao facilitar o processo de transferência de dados, que se torna imediato.

Essa revisão sistemática mostra, ao analisar 71 estudos, que a implementação de blockchains em dados de saúde pode ser economicamente viável e reduzir dificuldades de compatibilidade de software, desde que a informação não seja repetida nos computadores que compõem a rede, mas sim na nuvem. Dessa forma, até dados de outros sensores, como o smartwatch, podem ser associados ao mesmo usuário – o que pode tornar os tratamentos ainda mais personalizáveis. Uma limitação citada pelo estudo à implementação dessa tecnologia é o fato de que, da maneira que o blockchain é usado hoje, os usuários se tornam donos dos próprios dados. Isso pode ser considerado um benefício por torná-los agentes da própria saúde, mas pode ser extremamente complicado mudar a propriedade dos dados dos governos e de corporações e entregá-la aos indivíduos. Isso tudo exigiria muito conhecimento por parte dos usuários… mas é claro que pode ser um excelente desafio para a mudança necessária nos sistemas de saúde e na própria medicina como um todo.

Além desses desafios sociais, para que tudo isso se torne realidade as leis e as regulações, assim como a infraestrutura das unidades de saúde, precisam mudar. De todo jeito, o uso dessa tecnologia que transforma tantos paradigmas na informática médica pode ser extremamente promissor.

Anúncios
0

Como uma nova tecnologia é disponibilizada no SUS?

Quando a gente lê sobre um novo medicamento ou equipamento de saúde desenvolvido no exterior, logo pensa “ah, mas isso vai demorar anos pra chegar no Brasil…”. Ou mesmo quando uma inovação em saúde é desenvolvida aqui mesmo, a gente se pergunta quando é que vai estar disponível pra todo mundo. Além de questões de interesse econômico dos fabricantes, as novas tecnologias precisam passar por algumas etapas até chegar à população.

Primeiro, a tecnologia precisa ser registrada na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que deve se certificar, entre outras coisas, que a nova tecnologia traz mais benefícios do que riscos. E, mesmo com a garantia pela Constituição de 1988 do direito ao acesso universal e integral à saúde, o nosso SUS não pode pagar por toda e qualquer tecnologia ligada a tratamentos ou à manutenção da saúde. Aqui entende-se como tecnologia em saúde os medicamentos, equipamentos e procedimentos técnicos, os sistemas organizacionais, informacionais, educacionais e de suporte e os programas e protocolos assistenciais por meio dos quais a atenção e os cuidados com a saúde são prestados à população, de acordo com a portaria nº 2.510, de 19 de dezembro de 2005. Essas tecnologias estão presentes desde a prevenção e diagnóstico de doenças até seu tratamento e a recuperação da saúde das pessoas.

A entrada, retirada ou mudança do que é coberto pelo sistema público de saúde brasileiro é avaliada por uma comissão chamada CONITEC – Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS, criada pela lei nº 12.401 de 28 de abril de 2011 e regulamentada pelo decreto nº 7.646 de 21 de dezembro de 2011. Essa comissão, composta por um plenário de 13 titulares de entidades como o Ministério da Saúde e a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e uma secretaria executiva, substituiu a CITEC – Comissão de Incorporação de Tecnologias do Ministério da Saúde, criada em 2006, e representou um avanço no sentido de institucionalizar o modelo de processo de incorporação, para que fosse amparado legalmente, e instituiu fluxo contínuo de submissão de pedidos de incorporação, documentação e realização de consulta pública obrigatórias, prazo de 180 dias para a tomada de decisão da recomendação ou não da incorporação da tecnologia (prorrogáveis por mais 90 dias), entre outros procedimentos legais.

Estrutura Conitec

Estrutura da CONITEC (Fonte: Entendendo a Incorporação de Tecnologias em saúde no SUS / Ministério da Saúde. Disponível aqui)

O processo de avaliação das tecnologias em saúde deve levar em conta, no mínimo, os benefícios, os riscos e os custos da adoção de determinado procedimento. Atualmente são feitos estudos de avaliação econômica em saúde, como os estudos de custo-eficácia ou custo-utilidade, principalmente por universidades, associações profissionais ou empresas privadas, mas também por várias comissões e assessorias públicas. Esses estudos mostram, em geral, a relação entre um  aumento de custo e a eficácia de uma determinada intervenção em saúde em comparação a um tratamento convencional, que pode ser ajustada por anos de vida em boa saúde (QALY), no caso dos estudos de custo-utilidade. São somados aos estudos de avaliação econômica os estudos clínicos e/ou revisões sistemáticas, que devem considerar critérios clínicos pertinentes. A decisão sobre a incorporação deve também considerar aspectos éticos e análise exaustiva e criteriosa da literatura disponível, além do impacto social, organizacional e legal. Apesar das especificidades dos sistemas de saúde de cada país, ainda são feitos poucos estudos dessa natureza no Brasil, e a comissão acaba usando estudos internacionais e relatórios de outras agências reguladoras, como a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos.

Em geral os pedidos de incorporação de tecnologias são feitos por produtores (indústrias e empresas privadas), associações de pacientes, sociedades médicas e outras organizações não governamentais, mas também por secretarias e órgãos do Ministério da Saúde, autarquias como a ANVISA e a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e secretarias municipais e estaduais de saúde. Depois de dado o parecer da comissão, em caso de incorporação, as unidades de saúde têm até 180 dias para adotar as tecnologias.

Fluxo Incorporação

Fluxo simplificado da incorporação de tecnologias (Fonte: Entendendo a Incorporação de Tecnologias em saúde no SUS / Ministério da Saúde. Disponível aqui)

Um dos problemas mais sérios na saúde no Brasil é a judicialização, ou a imposição judicial da compra de tecnologias não existentes ou em falta no SUS, baseada no direito fundamental de acesso à saúde. Os custos dessas determinações chegam a cerca de R$ 7 bilhões por ano, diante de, por exemplo, R$ 110,2 bilhões de orçamento total destinado à saúde em 2017. A criação da CONITEC visava, entre outras coisas, diminuir esse fenômeno, agilizando e melhorando o processo de incorporação. Entretanto, os processos judiciais aumentaram 1010% entre 2010 e 2016. Um estudo realizado pela USP mostrou que 16% dos gastos com a judicialização foram referentes a medicamentos que deveriam ser ofertados pelo SUS, o que mostra que questão do acesso às tecnologias incorporadas também é muito importante. Outro estudo, da UFRJ, mostrou que demandas internas de instituições ligadas ao Ministério da Saúde obtiveram mais sucesso na incorporação, e que múltiplas solicitações para um mesmo medicamento, além de pressão social, podem ajudar a obter pareceres favoráveis.

No caso citado no fim do meu texto anterior, a incorporação das insulinas análogas ao SUS foi pedida em 13 de julho de 2016, pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), e em setembro do mesmo ano a CONITEC abriu consulta pública, recomendando inicialmente a não incorporação. Após 1.092 contribuições de diferentes setores da sociedade, o parecer passou a ser favorável e em 22 de fevereiro de 2017 a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos estratégicos acatou a recomendação. Existem outros casos complicados, como os casos das doenças raras e os altíssimos custos das medicações… E os critérios de definição do preço das tecnologias em saúde são tão interessantes também que merecem um texto só pra eles.

Por um lado, o impacto da incorporação de uma nova tecnologia é sobre o orçamento total do SUS, que, como a gente sabe, não chega a ser suficiente para o que já existe; por outro, a judicialização é ainda mais dispendiosa, já que as compras frequentemente são feitas rapidamente e em pequenas quantidades, causando aumento substancial no preço. É importante lembrar que 75% da nossa população, ou aproximadamente 150 milhões de pessoas, dependiam exclusivamente do SUS em 2015, enquanto os outros 25% têm acesso, além do SUS, ao sistema de saúde suplementar (planos de saúde). Considerando a magnitude do nosso sistema, o processo de incorporação deve ser extremamente responsável e seguro para os usuários e profissionais de saúde.

 

 

0

Cientista brasileira lidera projeto em busca da energia escura

Texto escrito em parceria com @ruajosephine.

Até o final da década de 1990 a expansão do universo ainda era uma incógnita. Não sabíamos ao certo se o universo era estático, se estava em expansão desacelerada ou acelerada.  A teoria da gravidade de Albert Einstein predizia que o universo teria energia suficiente para estar em expansão, mas que a gravidade faria esse fenômeno diminuir gradativamente. Em 1998, com as observações de supernovas através do telescópio espacial Hubble (HST) foi compreendido que o universo está realmente se expandindo, e a cada momento mais rápido! Ninguém sabia explicar o que tornaria sua expansão acelerada com o passar do tempo. E, por isso, imaginou-se uma energia capaz de contrapor a força gravitacional e, ao mesmo tempo, de difícil (talvez impossível?) detecção, chamada de energia escura.

E afinal, o que é energia escura?

Desconhecemos mais do que conhecemos. Sabemos a quantidade da energia escura pelo quanto que ela interfere na expansão do universo. Calcula-se que o espaço-tempo seja constituído de aproximadamente 68% de energia escura, 27% de matéria escura (outra força que ainda é um mistério) e menos de 5% de matéria “normal”, a matéria que conhecemos que forma planetas, estrelas e nós, conhecida como matéria bariônica. [1]

um

O diagrama acima representa as possíveis mudanças na taxa de expansão desde o surgimento do universo há quase 14 bilhões de anos. Crédito: NASA / STSci / Ann Feild.

As ciências físicas e astronômicas vêm investindo em pesquisas no campo da cosmologia para compreendermos melhor os fenômenos que acontecem no universo, desde a sua formação, sua expansão acelerada até as origens de elementos químicos. E uma das observações mais incríveis aconteceu no dia 17 de agosto de 2017: duas estrelas de nêutrons colidiram em uma galáxia há 130 milhões de anos-luz de distância da Terra e pela primeira vez detectamos esse tipo de evento [2]. A colisão, conhecida como kilonova, emitiu um pulso de ondas gravitacionais forte o suficiente para ser detectado pelos instrumentos do Observatório Interferométrico de Ondas Gravitacionais (LIGO), nos Estados Unidos, e do Observatório Interferométrico Europeu VIRGO, na Itália. O fenômeno permitiu calcular a atual taxa de expansão local do Universo, a constante de Hubble. O valor encontrado coincide com medidas da constante de Hubble obtidas por diversos outros métodos em pesquisas realizadas no mundo todo [3]. Foi a primeira vez que um evento de proporções astronômicas foi simultaneamente visto (em diferentes comprimentos de ondas) e ouvido (através da reconstrução do sinal das ondas gravitacionais), dando início a uma nova era da astronomia.

Uma das cientistas importantes envolvidas com a detecção é a astrofísica capixaba Marcelle Soares-Santos. Marcelle é coordenadora do projeto Dark Energy Survey (DES) que descobriu e analisou a contrapartida óptica do evento de onda gravitacional de agosto de 2017, GW170817. Lembra que falamos de “ver” e “ouvir” a colisão? A equipe que a Marcelle lidera é responsável pela parte do “ver” que de fato nossos olhos poderiam ver (luz visível).

Quem é Marcelle Soares-Santos

Marcelle é graduada em física pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), mestra e doutora em astronomia pela Universidade de São Paulo (USP). Foi pós-doutoranda e, posteriormente, pesquisadora principal do Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab/EUA), um dos mais importantes centros de investigação sobre física de partículas. Ela era a única brasileira presente entre os 16 líderes de grupos de pesquisa ao anunciarem a detecção da colisão das estrelas de nêutrons na sede da National Science Foundation (EUA). Imagina: umas das 16 pessoas a chefiar os 3.500 cientistas por trás de uma das mais importantes descobertas da Ciência.

dois

A líder do DES, Marcelle Soares-Santos, na sede da National Science Foundation (EUA) divulgando os resultados da observação GW170817 no espectro óptico. Crédito: Dark Energy Survey.

Ela atua no Fermilab desde 2010, participando da construção de um dos maiores detectores de luz já construídos: uma câmera de 570 megapixels (aquelas câmeras profissionais que você acha incríveis têm em média 20 megapixels!!!), a DECam, instalada no telescópio Blanco no Cerro Tololo Inter-American Observatory (Chile). A DECam mapeia 300 milhões de galáxias para o projeto Dark Energy Survey. Foi com essa câmera que a equipe da Marcelle entrou para a História ao capturar e analisar a parte visível da colisão entre estrelas de nêutron de 2017, a primeira detecção de colisão desse tipo. Hoje Marcelle compartilha seus saberes sendo professora pesquisadora na Universidade Brandeis, em Massachusetts, também nos EUA.

tres

Imagem no espectro visível da colisão entre estrelas de nêutrons GW170817. À esquerda temos a imagem da kilonova até 1,5 dias depois da explosão. À direita percebemos que a explosão já não é tão visível após 14 dias. Créditos: Dark Energy Survey.

Convidada pelas Cientistas Feministas, Marcelle nos contou mais sobre sua carreira como astrofísica e sobre o projeto Dark Energy Survey.

Cientistas Feministas: A energia escura é um dos grandes mistérios da física. Mas o que lhe motivou, em particular, a estudar energia escura e a expansão do universo?

Marcelle: Minha curiosidade a respeito do mundo físico ao meu redor começou quando eu era criança. À medida que fui crescendo e avançando nos estudos, descobri que a Física era a disciplina certa para satisfazer essa curiosidade. O tópico da energia escura e expansão do universo, em particular, cativou meu interesse no último ano do ensino médio, quando li um artigo sobre cosmologia falando que mais de 2/3 do universo atual é composto de uma forma de energia cuja natureza física ainda é desconhecida. Entender a energia escura passou a ser um foco dos meus estudos a partir dali.

CsFs: Entender os processos de expansão do universo tem muitas barreiras principalmente por conta dos nossos limites tecnológicos. Se você pudesse obter qualquer observável no Universo, o que você imaginaria que seria o mais fantástico para avançar no entendimento sobre a energia escura?

M: O problema da energia escura é um desafio tão grande que a comunidade científica vai precisar de um conjunto grande e coerente de dados para resolvê-lo. Infelizmente não existe uma “bala de prata” que consiga esclarecer essa questão. É por isso que, por exemplo, meu grupo de pesquisa envolve desde estudos de aglomerados de galáxias e lentes gravitacionais (com a pesquisadora brasileira Dra. Maria Elidaiana Pereira, que veio para Brandeis em Outubro de 2017 depois de concluir o doutorado no CBPF, Rio de Janeiro) até o desenvolvimento de novas técnicas, como por exemplo, ondas gravitacionais.

CsFs: A captação da colisão de estrelas de nêutrons do dia 17 de agosto de 2017 repercutiu o mundo inteiro e pode revolucionar os estudos de física. Como você enxerga esse fenômeno e as possibilidades de mudanças para a ciência a partir dessas novas descobertas? E do ponto de vista do avanço no entendimento da energia escura?

M: O evento observado no dia 17 de agosto, conhecido pela sigla GW170817, foi importante para mim pessoalmente porque é a primeira vez que temos prova empírica de que podemos utilizar esses eventos para estudar a energia escura. Essa nova técnica que vinha sendo desenvolvida há anos pela comunidade realmente funciona! Foi importante para a comunidade científica no mundo inteiro porque abre uma nova janela observacional, que permite estudar vários fenômenos astrofísicos de uma nova perspectiva. A partir desse evento podemos agora estudar a origem de elementos pesados (como ouro, platina) no universo, podemos entender a evolução de estrelas de nêutrons, história de formação de sistemas estelares binários, física de partículas fundamentais como os neutrinos… Há uma variedade enorme de tópicos a serem estudados!

CsFs: Uma grande parte da sua pesquisa é identificar ondas gravitacionais no espaço a partir da DECam. Como o registro de ondas gravitacionais pode contribuir com seus estudos?

M: O papel da DECam é busca rápida a partir da detecção do evento de ondas gravitacionais pela rede de detectores LIGO/Virgo. Nossa câmera não é capaz de ver ondas gravitacionais, mas é capaz de identificar a fonte luminosa correspondente. Isso nos permite então combinar o sinal de ondas gravitacionais e as imagens do evento, para determinar suas propriedades.

CsFs: A câmera que vocês desenvolveram tem uma capacidade excepcional de registrar o universo. O que você espera da DECam com esses cinco anos de pesquisa e registros de imagens do universo?

M: Esperamos observar aproximadamente 10 eventos nos próximos anos!

CsFs: Trabalhar com grandes fenômenos da natureza certamente proporciona grandes emoções. Até agora qual foi o momento mais emocionante em sua carreira como cientista? Conte-nos detalhes dessa história!

M: O momento mais emocionante foi definitivamente 17 de agosto as 07h41min da manhã (Chicago time), quando GW170817 ocorreu. É muito raro a gente estar envolvido em uma descoberta dessa magnitude!

CsFs: O Fermilab é um dos maiores Institutos de física do mundo. Como foi trabalhar lá?

M: Tenho lembranças maravilhosas do tempo que passei no Fermilab. Trabalhar num centro de pesquisa grande pode ser muito estimulante e o grupo de Cosmologia e Astrofísica, em que eu trabalhei, é excepcional nesse sentido.

CsFs: Atualmente você é professora universitária na Brandeis University, em Massachusetts. Como está sendo essa transição de compartilhar o laboratório com a sala de aula?

M: Aqui em Brandeis, além de ensinar para formação da próxima geração de físicos, minha pesquisa está tomando novas dimensões. Eu agora tenho meu próprio grupo de pesquisa e planos de engajar estudantes e pós-doutores em projetos de grande impacto, em colaboração com uma comunidade acadêmica vibrante e inspiradora.

CsFs: Como a colisão de estrelas de nêutrons registrada em agosto desse ano repercutiu para seus alunos na faculdade?

M: A universidade toda, desde estudantes até o topo da administração, ficou muito entusiasmada. É maravilhoso ver um membro da nossa comunidade fazer uma descoberta de impacto!

É maravilhoso para nós vermos a Dra. Marcelle Soares-Santos desvendando os mistérios do universo! Estamos muito felizes em trazer uma cientista com a sua trajetória e sucesso para nos explicar questões cosmológicas. Ela nos inspirar a olhar para o céu e tentarmos entender quem somos (terráqueos viajantes do Cosmos).

Agradecimentos:

À Dra. Maria Elidaiana da Silva Pereira por ter intermediado essa entrevista. As CsFs desejam muito sucesso em Brandeis.

Referências:

[1] https://science.nasa.gov/astrophysics/focus-areas/what-is-dark-energy;

[2] https://cientistasfeministas.wordpress.com/2017/11/23/todo-o-ouro-do-universo-colisao-de-estrelas-de-neutrons/

[3] http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/10/17/detectada-pela-primeira-vez-colisao-de-estrelas-de-neutrons-inaugura-nova-era-na-astronomia/.

0

Tópicos quentes de pesquisa na área de Internet – Parte III: Cloud Computing

Daremos continuidade a série de postagens sobre os tópicos quentes de pesquisa na área de Internet, na qual já foi falada sobre CDNs e Internet das coisas. Falaremos sobre Cloud Computing ou Computação em Nuvem.

A computação em nuvem é hoje uma realidade e muitos usuários já a usam mesmo sem saber. Por exemplo, quando um usuário coloca um arquivo em um serviço do tipo Dropbox ou Google Drive, ele está fazendo uso de uma infraestrutura de computação em nuvem. Quando usa um serviço de formulários online, como SurveyMonkey ou Typeform para suas pesquisas, também está.

Apesar disso, para muitas pessoas o conceito de nuvem é um tanto quanto etéreo e abstrato. Afinal, se um usuário coloca um arquivo em um serviço em nuvem para onde isso vai? Para entender melhor é preciso voltar um pouquinho na história da computação. No início apenas grandes empresas tinham a possibilidade de possuir os mainframes, que nada mais são que computadores de grande porte com a capacidade de oferecer serviços de processamento a milhares de usuários conectados através de milhares de terminais. Nessa época, os terminais em si não tinham praticamente nenhum poder de processamento, sendo que os mainframes centralizavam todas as operações.

Com o advento dos PCs muitas das tarefas que antes eram executadas em um mainframe passaram a ser possíveis de ser realizadas localmente e assim o poder de processamento se tornou um pouco mais distribuído. Nesse contexto, o modelo cliente-servidor, que ainda hoje é o mais utilizado, tornou-se predominante. O servidor roda um ou mais serviços ou programas que compartilham recursos com os clientes. Já um cliente (que normalmente é uma máquina de usuário) inicia uma comunicação através de uma rede de computadores, solicitando conteúdo ou serviços de um servidor. Há vários exemplos de aplicações que seguem esse paradigma como o e-mail, a Web e as impressoras em rede. Inicialmente nesse modelo o servidor possuía um endereço lógico conhecido, além de se conhecer sua localização física (muitas vezes, no data center da própria empresa).

Pode-se pensar na computação em nuvem como uma evolução desse modelo no sentido de que o servidor não tem necessariamente uma localização conhecida. Além disso, os serviços prestados pelo servidor são geralmente terceirizados e executados de forma distribuída. Um usuário não é capaz de saber se apenas um servidor é responsável por toda a execução de um processamento ou se há vários envolvidos. Há a possibilidade de coordenação entre vários servidores em diferentes localidades para a “entrega” do serviço solicitado pelo cliente. Por isso, a ideia de nuvem aparece.

A computação em nuvem se baseia na virtualização de servidores, que nada mais é do que emular um servidor de forma virtual, configurando em um software de virtualização quanto de memória RAM, espaço de armazenamento, processador e sistema operacional aquela máquina vai ter. O interessante é que numa máquina real é possível ter quantas máquinas virtuais forem desejadas, com diferentes configurações que atendam o que for necessário. Basicamente esses servidores virtuais compartilham o mesmo hardware e podem rodar simultaneamente de forma otimizada. Para ajudar na compreensão analisemos um exemplo: imagine um servidor real com um processador Intel i7, 10GB de memória RAM e 1TB de espaço de armazenamento (HD). Nele foi instalado um software de virtualização e com isso foram configuradas 2 máquinas virtuais, sendo que uma roda Windows e tem disponível 8GB de RAM e 500MB de HD, enquanto a outra roda um Linux e tem disponível 4GB de RAM e 800MB de HD. Somando as capacidades das máquinas virtuais notamos que o valor é maior do que o existente na máquina real. Mas isso não é um problema porque os valores configurados são os máximos a serem atingidos no caso da outra máquina virtual estar ociosa ou superdimensionada. Quando uma máquina virtual não for mais necessária, ela pode ser simplesmente apagada da memória da máquina real.

Há várias vantagens em se usar a computação em nuvem, sendo que dentre as principais estão a alta disponibilidade dos serviços, a alta capacidade de processamento, os custos reduzidos em comparação a uma solução interna e a grande flexibilidade para ampliar ou diminuir a capacidade de processamento ou de armazenamento (o que se conhece como elasticidade). Por outro lado, há desvantagens que devem ser consideradas na hora de se adotar a nuvem como a redução de desempenho, o esforço de portabilidade de aplicações já existentes internamente para a nuvem, o atendimento a regulamentação de países específicos e os riscos de segurança, especialmente em relação ao vazamento de informações e violação à privacidade.

Hoje existem 3 categorias de serviços de computação em nuvem. O mais conhecido é o SaaS (Software as a Service) em que o provedor de serviços fornece um programa que fica em um servidor remoto e as aplicações são acessíveis por meio de dispositivos do cliente, com uso de interfaces simples, como a Web. O usuário não gerencia ou controla nenhum item da infraestrutura que hospeda o software, sendo somente possível ajustar configurações específicas a nível de usuário. Exemplos desse tipo de serviço são o Google Drive, Dropbox, SurveyMonkey e Typeform.

Ainda existem as categorias conhecidas como PaaS (Platform as a Service) e IaaS (Infrastructure as a Service) que no geral são mais voltadas para equipes de desenvolvimento de software. Uma das empresas mais conhecida que fornece esses tipos de serviço é a Amazon Web Services (AWS).

Apesar da computação em nuvem já ser uma realidade e estar sendo comercializada, ainda há muitos desafios a serem superados, os quais são tópicos relevantes de pesquisa na área da Internet e de redes de computadores. Um dos mais relevante concerne às questões de segurança, em como minimizar o vazamento de informações. Isso porque há a possibilidade de explorar vulnerabilidades em relação ao incorreto isolamento entre os servidores virtuais.

No próximo post continuaremos falando sobre tópicos quentes de pesquisa na área de Internet. Até lá!

1

O blockchain veio para ficar?

(Imagem: allanlau2000)

A tecnologia blockchain tem sido comentada em diversas notícias na imprensa e na maior parte das vezes atrelada ao uso de moedas digitais como o bitcoin. Porém, ela tem potencial para muitos outros usos, podendo auxiliar no desenvolvimento de estruturas sociais e econômicas mais transparentes e distribuídas. Mas afinal, o que é esse tal de blockchain?

O blockchain é um tipo de banco de dados descentralizado que guarda um registro de transações de modo permanente e à prova de violação. Ele possui a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem em uma determinada área. Pode-se pensar no funcionamento similar ao dos livros de registro de um cartório, só que de forma pública, compartilhada e universal, que cria confiança na comunicação direta entre duas partes, ou seja, sem o intermédio de terceiros.

Há dois tipos de registros no blockchain: transações individuais e blocos. Um bloco é a parte atual do blockchain na qual são registradaas algumas ou todas as transações mais recentes e, uma vez concluído, é guardado de modo linear e cronológico no blockchain como um banco de dados permanente. Assim que um bloco é concluído um novo é gerado, existindo um número infinito de blocos, que são linkados uns aos outros através de uma referência para o bloco anterior.

Além de ser um banco de dados descentralizado, o blockchain também é uma rede peer-to-peer (P2P). Essa rede consiste em uma série de computadores e servidores que atuam como nós na rede. Quando uma nova transação ocorre na rede, a informação dela é propagada entre todos os nós da rede P2P, normalmente criptografada, não havendo como rastrear quem adicionou a informação na rede e sendo possível apenas verificar sua validade. Cada nó obtém uma cópia do blockchain após o ingresso na rede.

O blockchain tem sido aplicado a situações em que é necessário manter a informação de propriedade e o histórico das interações. Já existem diferentes usos sendo explorados em pesquisas científicas e até algumas soluções já chegaram ao mercado.

O uso mais difundido é o de moedas digitais ou criptomoedas. O bitcoin é considerada a primeira moeda digital descentralizada e permite executar transações financeiras sem intermediários, sendo que estas transações são verificadas por nós da rede P2P e gravadas em um banco de dados distribuídos, usando a tecnologia blockchain. A transferência de bitcoins se dá através do seguinte processo:

  1. O usuário que fará o pagamento precisa saber o endereço destinatário que pode ser informado através de texto, ou através de um código de barras do tipo QR code, que será escaneado pelo dispositivo do usuário pagador;
  2. O programa de carteira do usuário pagador criará a transação, sendo que o usuário precisa apenas informar a quantia de bitcoins que enviará e qual o endereço de destino;
  3. Para transmitir a transação à rede bitcoin, o usuário precisa apenas conectar-se à Internet. Não é possível cancelar ou reverter uma transação após ela ter sido enviada pela rede. Para ter os bitcoins associados ao seu próprio endereço, o destinatário não precisa estar online no momento da transação e não precisa confirmá-la.

Uma carteira bitcoin armazena as informações que são necessárias para se fazer transações com bitcoin, utilizando criptografia de chave pública. A chave privada é responsável pelo acesso aos fundos da carteira, enquanto que a chave pública pode ser espalhada para receber fundos.

Vários países já estão atentos a esse movimento das moedas digitais e estudam a possibilidade de adotá-las, como é o caso da Estônia que pretende ser o primeiro país a criar uma moeda digital estatal, o EstCoin. Nesse mesmo sentido, a empresa R3 lidera um consórcio de mais de 80 instituições financeiras no mundo para a pesquisa e o desenvolvimento usando blockchain para esse mercado. Um dos estudos vai no sentido de facilitar o processo de transferência internacional de valores entre diferentes instituições financeiras, o que hoje é um processo bastante burocrático e demorado.

Porém, há muitos outros exemplos interessantes de aplicações usando blockchain. O MIT desenvolveu uma prova de conceito em que o blockchain é usado para disponibilização de certificados de conclusão de curso, possibilitando a verificação da autenticidade dos mesmos sem a necessidade de cartório. Uma startup inglesa desenvolveu uma solução em que se rastreia a origem, a qualidade e outras várias características dos diamantes encontrados no mercado com o uso de blockchain. Na mesma linha de rastreamento de objetos, a empresa londrina Deloitte, especializada em prestação de serviços financeiros e assessoria de riscos, desenvolveu uma prova de conceito em que o blockchain é usado para o rastreamento de obras de arte e empréstimo entre museus, sendo possível verificar a autenticidade de determinada obra. Na área de benefícios sociais, o blockchain já vem sendo empregado pelo governo da Finlândia na concessão de ajuda financeira para refugiados.

Apesar de já existir alguns usos comerciais do blockchain, ele ainda é um tema quente de pesquisa, pois há várias questões a serem respondidas: será que ele veio para ficar? em quais casos é vantajoso usá-lo em detrimento a soluções já bem estabelecidas? ele irá acabar com a estrutura financeira atual do mundo? e com os cartórios? será que ele irá auxiliar no desenvolvimento de estruturas sociais e econômicas mais transparentes e distribuídas? Essas e tantas outras são perguntas que só o tempo e muita pesquisa poderão responder.

0

Projeto em universidade visa trazer mais meninas para as áreas de exatas e tecnologias

É notável que as áreas de exatas e tecnologias sejam praticamente dominadas por homens. Dado a este cenário, um projeto desenvolvido na Universidade de Caxias do Sul (UCS-RS) tem por intuito mudar esse panorama. Intitulado “Engenheiros do Futuro”, o projeto atua no ensino médio de escolas da região, buscando trazer mais jovens para as áreas de exatas, em especial as engenharias. Atuando desde 2007, o projeto possui apoio da Universidade de Caxias do Sul e das agências de fomento MCTIC/FINEP/FNDCT. Dentro desse projeto, uma das vertentes é o subprojeto intitulado Encorajando meninas na ciência e tecnologia. Ele incentiva meninas no ensino médio a escolherem carreiras nas áreas de engenharia, mostrando de forma divertida que a área das exatas não é um bicho de sete cabeças.

Segundo a Professora Valquíria Villa Boas, coordenadora do projeto, “A Engenharia é uma profissão dominada pelos homens. Apesar das diferenças dos números relativos à presença das mulheres em Engenharia nos diferentes países, de modo geral, a caracterização e concepção da Engenharia como uma profissão masculina ainda é senso comum. Nas últimas décadas, o pequeno número de estudantes de Engenharia do sexo feminino, bem como de engenheiras atuantes no mercado de trabalho no mundo, tem sido motivo de debate para os estudiosos que se preocupam com as questões de gênero e com a importância da participação feminina em Ciência e Tecnologia (C&T)”.

No Brasil, o processo de inserção das mulheres nas carreiras científicas e tecnológicas ocorreu nas mesmas proporções que em outros países do mundo, entretanto, durante boa parte do século XX ainda havia um grande preconceito questionando aptas ou até mesmo capacidade intelectual das mulheres para atuarem nas carreiras científicas. Apesar do enorme avanço ocorrido na C&T nas últimas décadas do século XX, neste início de século XXI, e das profundas transformações do status jurídico da mulher e de sua condição social, as carreiras científicas e tecnológicas não passaram a constituir uma prioridade para as estudantes que concluem o ensino médio.

De acordo com o relatório anual da UNESCO, A porcentagem de  mulheres trabalhando em pesquisa e desenvolvimento para o ano de 2014  :

  • 28,8% para o mundo;
  • 39,9% para os Estados Árabes;
  • 39,6% para a Europa Central e Oriental;
  • 47,2% para a Ásia Central;
  • 22,9% para a Ásia Oriental e o Pacífico;
  • 44,7% para a América Latina e o Caribe;
  • 32,2% para a América do Norte e Europa Ocidental;
  • 19,0% para Ásia do Sul e Oeste;
  • 30,4% para África subsaariana.

Apesar de estarmos em 2017, os dados ainda são impactantes, o que mostra a necessidade de incentivar a participação das mulheres nas áreas de exatas e tecnologias.

Segundo a Professora Valquíria Villas Boas há expectativas para a ampliação do projeto a nível nacional para os próximos anos: “Estamos na 8ª edição do Encorajando Meninas em Ciência e Tecnologia, e com certeza temos interesse em continuar a oferecer esta atividade do Programa ENGFUT. E quanto a ampliar o projeto a nível nacional, é uma ambição que pode se concretizar, pois desde dezembro de 2016, eu faço parte da diretoria da Associação Brasileira de Educação em Engenharia (ABENGE) e umas das minhas tarefas junto à ABENGE é promover ações junto a escolas de Educação Básica. Assim sendo, o Encorajando Meninas em Ciência e Tecnologia pode vir a ser uma das atividades a ser disseminada entre as universidades brasileiras. Vale mencionar que em 2013, o CNPq lançou uma chamada pública (MCTI/CNPq/SPM-PR/Petrobras nº 18/2013) intitulada Meninas e Jovens Fazendo Ciências Exatas, Engenharias e Computação. Esta chamada pública permitiu que várias universidades brasileiras propusessem atividades para incentivar meninas a ingressarem em carreiras científicas e tecnológicas.” Contudo, foi observado que ao término do projeto a maioria das universidades brasileiras não deram continuidade atividades. Enquanto isso, o projeto desenvolvido em Caxias do Sul está na sua 8ª. edição anual, e se depender da Professora Valquíria irá perdurar por muitos anos.

21460354_10211903558177041_273648488_o

Projeto” Encorajando Meninas na Ciência e Tecnologia”, liderado pela professora Valquíria Villas Boas na Universidade de Caxias do Sul-RS. Fonte: Universidade de Caxias do Sul-Acervo

Dados do projeto

  • 4 Docentes atuantes: Valquíria Villas Boas-coordenadora, Odilon Giovannini, José Arthur Martins e Rejane Rech;
  • Número de escolas atendidas = 29;
  • Números de alunos que passaram pelo projeto (durante os 7 anos) = 320.

Referências:

http://www.ucsminhaescolha.com.br/noticias/122/programa-encorajando-meninas-inicia-oficinas-em-agosto

http://uis.unesco.org/sites/default/files/documents/fs43-women-in-science-2017-en.pdf

http://www.abenge.org.br

0

Exploração Espacial: Perdidos no sonho de ir para Marte

O que você precisa para viver?  O que é essencial na sua vida? Ar? Água? Uma terra que dê alimentos? A luz do sol que contribui para esse alimento ser produzido? E outras pessoas, casas, ruas, cidades, movimentos, produções, consumo, arte, músicas, amor, sexo, prazeres, culturas, histórias, memórias, tecnologias, internet…E se tivéssemos mais uma chance de nos adaptarmos a um planeta e pudéssemos construir tudo de novo? Quais seriam as suas escolhas?

Em meio ao caos terrestre algumas pessoas olham para o céu e imaginam uma nova civilização num planeta que traz o nome do Deus grego da guerra, o planeta Marte.

marte e terra

créditos: NASA

Entender que existe um espírito explorador e curioso em nós, seres humanos, não é muito difícil, não é mesmo? Mas o difícil é compreender o porquê dessa busca por um planeta, que, por mais que traga algumas semelhanças químicas e físicas em relação à Terra e por mais próximo que seja,  ainda é um lugar inóspito. Os gastos necessários para essa exploração espacial seriam altíssimos, e isso deve ser questionado. A distância média entre a Terra e Marte é de 78 milhões e 300 mil km. Pode-se observar que sua maior proximidade em relação ao nosso planeta foi cerca de 55 milhões de km de distância em 2003, o que não acontecia a 60.000 anos. E teremos um novo período de proximidade que será em 2018, o que facilitaria, no presente, nosso deslocamento para lá [1].

Importante para essa reflexão é pensar que estamos falando sobre exploração, que por mais que seja espacial (e para Marte) não deixa de ser  uma exploração, que tem como base uma lógica de mercado estabelecida pelo modelo econômico atual, cuja existência move a economia, as políticas e questões sociais. É essencial para o entendimento de pesquisas saber sobre o financiamento dessas e, no caso da exploração espacial, não são apenas as empresas privadas e os impostos dos governos que financiam as pesquisas para esse tipo de exploração (e todas as outras) mas também as pessoas, a sociedade que consome produtos dessas “empresas financiadoras” e paga esses impostos. O que não faz muito sentido é que essas pessoas costumam não saber no que estão investindo, existe uma falsa liberdade enraizada ao modelo econômico que criamos, pois por mais que achemos que temos o poder de decisão sobre as nossas escolhas, elas estão fadadas aos investimentos impostos pelo capitalismo e todas as suas consequências [2].  As dificuldades de se divulgar e popularizar as ciências também colaboram para essa realidade, pois se a comunicação científica fosse mais acessível a todas às pessoas, essas poderiam se tornar mais engajadas e, como consequência, lutariam pelo seu poder nas tomadas de decisões políticas, determinando as pesquisas que seriam financiadas, por exemplo. De certo que estudos científicos são financiados para ajudar a alcançar objetivos políticos, econômicos e sociais diversos, mas ainda sim trazem consigo um distanciamento de uma grande camada da sociedade. A consequência disso é que a ciência é incapaz de estabelecer suas próprias prioridades e a exploração espacial vem de escolhas estabelecidas historicamente e é um exemplo dessa relação entre os cidadãos comuns e a comunidade científica [3].

Mas quando essa curiosidade por Marte começou? Ok, podemos ir bem distante com essa pergunta! Coloca aí na máquina do tempo: Voltar 4.000 anos!

máquina do tempo

Créditos: Scibreak

No ano 2.000 a.c. o planeta Marte demonstrava ser um lugar especial para alguns sonhadores. Os egípcios desenhavam a imagem de Marte em tumbas, como por exemplo, na tumba do Faraó Setil I. Também os babilônios, os chineses e até os gregos faziam registros do planeta vermelho nesse período. É interessante perceber que esse planeta com cor de sangue já teve até outros nomes, mas todos representavam Deuses de guerras, por conta de sua cor [4].

deus guerra

Representação do Deus Egípcio da Guerra.
Créditos: Kalyzatf

Com o passar do tempo, Marte não era somente contemplado e observado no céu. A vontade de conhecer outros planetas e saber sobre a possibilidade de vida extraterrestre fez com que imaginássemos e criássemos histórias vividas nesse planeta. a partir do século XIX o mercado cinematográfico começou a produzir diversos filmes sobre o planeta vermelho que tanto nos instiga [5].
filme 1 Flashgordontriptomarsfilme 2

 

 

 

Imagens dos primeiros filmes sobre Marte.
Crédtios: Flash Gordon Wiki 

 

Essa vontade (insana, até então) de conhecer e explorar Marte foi se materializando durante a primeira corrida espacial no período da guerra Fria (1947 – 1991), logo depois do astronauta norte-americano Neil Armstrong pisar na lua, em 1969. Ir para o espaço e pisar no nosso satélite natural não era mais suficiente. Precisávamos de mais: ir para outro planeta, e um dos nossos vizinhos mais próximos foi o indicado: Marte! [6]

As primeiras pesquisas desenvolvidas para conhecer esse planeta tinham como questão inspiradora a possibilidade de vida extraterrestre, ainda mais depois de ter encontrado metano na composição de sua atmosfera (isso porque a concentração de metano na atmosfera do nosso planeta vem das vidas aqui presentes), além de oxigênio e gás carbônico. Mas percebemos que essa taxa de metano na atmosfera de Marte pode ser produzida por um processo geoquímico, vulcânico ou até por atividade hidrotérmica. Depois veio a tona o entendimento de que Marte poderia ser o futuro da Terra, que seria a sua imagem depois de um colapso e a possibilidade de vida neste lugar se tornou inviável. Por conta disso a ideia de explorar Marte passou a ser justificada pela necessidade de  entender melhor os processos que levaram Marte a tornar-se um grande deserto, e assim, talvez prevenir que eventos similares acontecessem na Terra. O desejo de fazer uma viagem espacial mais distante e colonizar Marte foi surgindo e tornou-se um dos objetivos nessa exploração espacial (como se fosse super simples, né?).

No início da exploração de Marte, mais da metade das missões foram mal-sucedidas. Neste século, isso tem mudado, atualmente há 5 satélites orbitando Marte e transmitindo dados para a Terra: Mars Odyssey (EUA), Mars Reconnaissance Orbiter (EUA), Maven (EUA), Mars Express (ESA\Europa) e Mars Orbiter Mission (Índia). Além disso, há 3 anos existem robôs circulando pela paisagem marciana: O Spirit e o Opportunity, lançados em 2003 e o Curiosity, que pousou no planeta vermelho em 2012. Seus estudos têm ajudado a conhecer melhor a composição do solo marciano e a história evolutiva do planeta.

As missões tripuladas para o espaço deixaram de ser uma prioridade nas últimas décadas e foram substituídas pelo envio de sondas e robôs. Enviamos nossas máquinas exploradoras para estudar a Lua, Marte e praticamente todos os nossos planetas vizinhos, além de cometas e asteroides.

Hoje a maioria das agências espaciais trabalham em parceria, contribuindo para o caráter internacional do campo. As maiores potências da Terra, no entanto, demonstram interesse e sonham com a primeira viagem tripulada para Marte. Porém é sabido que os custos para essa viagem seriam altíssimos e precisaríamos evoluir nas pesquisas para construir tecnologias essenciais para habitar o planeta vermelho.

Mas vamos lá, que chegue um dia que tenhamos capital e tecnologia suficientes para ir à Marte. O que já sabemos desse planeta? Como poderíamos nos estabelecer?

 

Características físicas de Marte

Com as informações captadas pelas sondas em órbita e os robôs de Marte sabemos que sua atmosfera é relativamente fina e composta principalmente por gás carbônico, sendo 95,32% de sua porcentagem, mais 3% de nitrogênio, 1,6% de argônio, contendo traços de oxigênio, água e metano. Diferente da Terra com sua atmosfera com cerca de 0,03% do gás carbônico, com 78,08% de nitrogênio, 20,95% de oxigênio e 0,93% de argônio, além de moléculas de água. A atmosfera marciana é um tanto quanto empoeirada, dando aos céus de Marte um colorido marrom claro ou laranja quando visto de sua superfície; os dados dos veículos exploradores de Marte indicam que as partículas de poeira suspensas na atmosfera são de cerca de 1,5 micrômetros. A pressão atmosférica sobre a superfície de Marte varia entre 30 pascals, no pico de Monte Olimpus (você já vai saber o que é esse monte!), e acima de 1.155 pascals nas profundidades de Hellas Planitia. Com isso, sua pressão média superficial é de 600 pascals, que podemos comparar ao nível médio do mar terrestre de 101,3 quilopascals e uma massa total de 25 teratoneladas, comparada à da Terra, de 5.148 teratoneladas.

mars

Foto de Marte.
Créditos: NASA


Já ouviram falar sobre o Monte Olimpus da Mitologia Grega? Esse lugar da morada de doze deuses tem endereço e está em solo marciano. O Monte Olimpus é a maior montanha vulcânica do Sistema Solar e está presente no planeta Marte. Com uma altura de mais de 25 km, ele é quase três vezes maior que o Monte Everest. O Monte Olimpus é o mais novo dentre os grandes vulcões de Marte e tornou-se conhecido pelos astrônomos no fim do século XIX.

monte olimpus

Imagem geográfica do Monte Olimpus.
Crédito: NASA


Em Marte há um sistema de cânions chamado Valles Marineris, que é o maior cânion conhecido, ultrapassando todos os cânions da Terra, com exceção do vale profundo submarino nos 16.000 km de extensão da Dorsal meso-atlântica.

Valles Marineris situa-se no equador de Marte, a leste de um planalto chamado Tharsis, e se estende por quase um quarto da circunferência do planeta. A maior parte dos pesquisadores concorda que Valles Marineris é uma grande rachadura tectônica na crosta marciana que se formou quando a crosta se elevou a oeste na região de Tharsis, tendo sido subsequentemente alargada por forças eólicas erosivas. Parece haver alguns canais que podem ter sido formados por água ou dióxido de carbono.

valleus mars

Foto de Valles Marineris.
Créditos: NASA

Há a presença de redemoinhos constantes na superfície de Marte e cientistas encontraram pistas de que eles poderiam ter campos elétricos de alta tensão. Esta e outras pesquisas incentivadas por diversas agências espaciais obtiveram dados da superfície de Marte que contribuem para o nosso conhecimento, ajudando na compreensão dos desafios apresentados pelo ambiente Marciano aos exploradores, tanto robóticos quanto possíveis humanos.

 

Desafios de civilizar Marte

A partir  dessas informações sobre o ambiente de Marte, podemos listar nossas futuras e principais dificuldades de civilizar esse planeta:

Radiação – a atmosfera de marte é mais fina que a da terra e não protege contra a radiação do espaço, portanto, será preciso desenvolver um isolamento capaz de proteger a vida humana no interior da base avançada por longos períodos. Cobrir a colônia humana na superfície com camadas do próprio solo marciano pode ajudar. Isso quer dizer que precisaríamos viver enclausurados durante muito tempo. Isso seria possível pra você?

Gravidade – Além de proteger os astronautas contra a radiação para trabalhos em áreas abertas, os trajes espaciais dos colonos marcianos provavelmente serão desenhados para compensar o longo período de viagem sem gravidade no espaço e também a gravidade reduzida do planeta. Seus efeitos podem causar graves problemas de saúde ao organismo humano.  Você se arriscaria?

Comida – No início da exploração a comida precisará ser produzida em marte e será basicamente vegetariana. Os astronautas ou os colonos cultivarão seus alimentos de forma hidropônica, ou seja, sem o uso do solo marciano. A água utilizada para hidroponia precisará ser retirada do solo e será dividida entre outros processos que necessitam dela.  Será que a água será suficiente para uma grande produção hidropônica além de suas outras funções (como consumo, produções tecnológicas, cozinhar, tomar banho, entre outras)?

Oxigênio – O oxigênio necessário à vida humana é escasso na atmosfera de Marte. Este poderá ser obtido a partir do próprio gás carbônico abundante na atmosfera do planeta ou das moléculas de água do solo. O desafio em relação a quantidade de oxigênio é saber se a produção deste será suficiente para manter a vida.

Água – a água encontrada no planeta está congelada. Esta poderá ser obtida a partir do solo marciano, com equipamentos especiais que terão que ser levados ao planeta nas primeiras expedições. O desafio é saber se há água suficiente para manter a base espacial em solo marciano.

Viagem de volta – a logística para escapar da gravidade do planeta e permitir uma viagem de volta é, por enquanto, impossível. Sem falar da velocidade da viagem de volta que irá tornar a passagem superaquecida pela atmosfera da Terra. A tecnologia para a volta à Terra terá que ser produzida em base marciana. Será possível a produção de novos equipamentos que poderão permitir a passagem por diferentes gravidades e uma viagem de retorno?

 

E Marte pode ficar verde? Poderíamos fazer uma “terraformação” de marte transformando a superfície congelada em algo mais parecido com a Terra? É provável que sim. Sondas espaciais que exploram marte encontraram evidências que o planeta já foi quente eras atrás, com rios que drenavam para mares vastos. E aqui na Terra, nós aprendemos como aquecer um planeta: basta adicionar gases de efeito estufa em sua atmosfera. Grande parte do dióxido de carbono que uma vez aqueceu marte provavelmente ainda está lá, nas terras congeladas e calotas polares, assim como a água. Mas tudo isso precisaria de um grande orçamento e de muito tempo, cerca de 1000 anos de adaptação.

A partir dessas e de outras informações sobre as características de Marte e as tendências de desafios que teremos que passar, iniciou um estudo sobre como seria a base marciana para tripulantes humanos que chegassem ao solo do planeta vermelho.

Primeiro será enviado um módulo de habitação com proteção contra a radiação à base marciana. Haverá aumento da temperatura com a implantação de grandes fábricas liberando gases de efeito estufa, o que trará como consequência o descongelamento das calotas, proporcionando temperaturas mais altas e uma fluidez ao ciclo de água. As chuvas cairiam anos depois e os primeiros micróbios poderiam surgir, preparando os solos para as flores e plantas se adaptarem. A produção de energia nas bases seria a partir da energia eólica e nuclear. Com tudo isso, a taxa de oxigênio irá aumentar mas continuará baixa comparada ao planeta Terra mesmo depois de 1000 anos. Ao longo do tempo geológico, antes que a própria Terra se torne inabitável, Marte perderia sua nova atmosfera e congelaria de novo [7].

 

A humanidade, Gaia e Marte

Diante dessa breve história sobre o desejo de explorar e ocupar Marte, podemos imaginar as possíveis futuras histórias dessa temática. A partir do contexto em que vivemos e a consciência sobre o sistema capitalista é necessário nos questionarmos até que ponto a humanidade é capaz de ir. A teoria de Gaia, desenvolvida pelo cientista James Lovelock na década de 1970 afirma que o planeta Terra é um ser vivo. O cientista chegou a essa conclusão diante da observação de sua atmosfera, de seus movimentos naturais e dos ciclos de compostos (ciclo de O2 e ciclo de H20, por exemplo), que mais parecem um metabolismo vivo. Segundo essa teoria o planeta Terra é Gaia, em homenagem a deusa da Mitologia grega que dá a vida. Analogamente, se a Terra fosse um ser vivo, nós, seres humanos, seríamos os vírus exploradores que infectam esse corpo, trazendo como uma das consequências o aquecimento global ou a febre do corpo doente. Imaginando o que o cientista James Lovelock diria sobre a temática da exploração espacial para Marte, acredito que ele diria que nós, os vírus, queremos infectar mais um corpo (planeta Marte) e por onde passamos afetamos. No entanto parece ser inviável ir para Marte…mas para nós, viver sem sonhar? Não dá! [8]

o-que-aprendi-com-perdido-em-marte.html

Filme “Perdido em Marte”.
Créditos: Portal do Holanda

 

Referências

[1] Revista Veja – Abril. Marte atinge ponto mais perto da Terra em 11 anos nesta segunda, 2016.

[2] Flusser, Vilém [1920-1991] O mundo codificado: por uma filosofia de design e da comunicação: Vilém, Flusser, organizado por Rafael cardoso. Tradução: Raquel Abi-Sâmara. 224p. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

[3] Harari, Yuval Noah, 1976 – Sapiens – Uma breve história da humanidade | Yuval Noah Harari; tradução Janaína Marcoantonio. 464p.- 12. Ed. – Porto Alegre, RS: L&PM, 2016.

[4] http://historiadomundo.uol.com.br/egipcia/arte-e-arquitetura-do-egito.htm

[5] http://wwwkalyzatf2009.blogspot.com.br/

[6] http://flashgordon.wikia.com/wiki/Flash_Gordon%27s_Trip_to_Mars

[7] Menezes, Leonardo. Amanhãs – Exploração Espacial, Museu do Amanhã, 2015.

[8] Lovelock, James. Gaia, uma teoria do conhecimento. Editora Saraiva, 2014.