0

Museus e pinturas: Como aprender a nomear obras de vários autores

graffiti-508272_640

Fonte da imagem: https://pixabay.com/pt/grafite-mural-arte-de-rua-pintura-508272/

É provável que vocês, leitores, em algum momento da vida tiveram a oportunidade de ir a um museu de arte. E que apesar de admirar várias pinturas, vocês tenham tido dificuldade de responder adequadamente quando alguém questiona quem foi o pintor de determinada obra (exceto talvez os que estudam arte ou tópicos relacionados). Você pode até ter aprendido algumas obras e artistas durante a escola, mas não se lembra mais de (quase) nada, não é mesmo?

A maneira tipicamente utilizada para memorizar autores e obras é fazer cartões com vários nomes e pinturas e tentar agrupá-los, mas isso pode ser demorado e não garante o aprendizado. Nesse sentido, maneiras alternativas de ensinar (e aprender) categorias de elementos têm sido desenvolvidas. Na Psicologia, existe um modelo cuja eficácia tem sido cientificamente provada há muitos anos. Esse modelo se chama “equivalência de estímulos” (e.g., Sidman & Tailby, 1982; Sidman, 1994) e é, grosso modo, uma maneira de aprender a tratar estímulos fisicamente dissimilares como se fossem substitutos uns dos outros (em certas ocasiões), ou, no contexto da categorização, a tratarmos certos estímulos em uma categoria A (e não B ou N), e outros na categoria B (e não A, ou N).

Esse modelo tem sido utilizado para ensinar, por exemplo, uma segunda língua, estatística, neuroanatomia, entre outros tópicos academicamente relevantes. Recentemente, os pesquisadores Paulo Ferreira e seus colaboradores utilizaram o modelo para ensinar indivíduos a reconhecer pinturas de Gauguin, Botticelli, Monet e Picasso. Dois experimentos foram realizados e ambos contavam com o mesmo procedimento e número de participantes, mudando apenas um dos pintores trabalhados (Gauguin, Botticelli e Monet no estudo 1, e Botticelli, Monet e Picasso no estudo 2).

No estudo 1, 10 participantes (três mulheres e sete homens) foram ensinados, inicialmente, a reconhecer as pinturas de cada um dos pintores. Diante da foto de uma entre 10 pinturas de um mesmo autor, os participantes tinham que selecionar, entre as três alternativas (Gauguin, Botticelli e Monet), qual era a correta. Um feedback informava os participantes, após a escolha, se suas respostas estavam certas ou erradas. Nessa fase, foram realizados três blocos, um para cada autor. Os participantes tinham que acertar 6 tentativas em sequência para avançar para a próxima fase.

Na fase seguinte, os participantes deveriam, diante de uma entre 30 pinturas dos três autores, escolher uma de três figuras abstratas. Cada figura foi arbitrariamente considerada o par correto para 10 pinturas do mesmo autor, e os participantes recebiam feedback após suas respostas. Para avançar para a fase seguinte, os participantes deveriam acertar 18 tentativas seguidas em um bloco com 30 tentativas.

Na terceira fase, os participantes deveriam relacionar as figuras abstratas aos nomes dos pintores. Ou seja, diante de cada símbolo abstrato, eles deveriam selecionar o pintor que foi considerado arbitrariamente o par correto para tal símbolo abstrato. Nessa fase, havia 18 tentativas, e os participantes deveriam acertar 6 tentativas consecutivas para avançar para a fase de testes.

Revisando, os participantes aprenderam, até o momento, a 1) reconhecer 30 pinturas de cada um dos três autores, 2) relacionar cada um dos três pintores com três figuras abstratas, arbitrariamente consideradas os pares corretos para cada pintor, e 3) relacionar cada uma das três figuras abstratas com 10 pinturas de cada um dos três autores.

Atingindo o critério dessa fase de treino, havia a fase de testes. Os participantes deveriam, diante de cada pintura, selecionar o pintor correto. Veja que, nessa metodologia, não se aprende diretamente a relacionar as pinturas com os pintores; isso ocorre de maneira indireta, como resultado do procedimento de treino. Além das pinturas utilizadas na fase de treino, também apareciam 15 novas pinturas, 5 de cada pintor, como uma medida de generalização. Assim, havia 60 tentativas, duas de uma mesma pintura, sem feedback de acerto ou erro, embora os participantes fossem instruídos a continuar respondendo como haviam aprendido nas fases anteriores.

Os resultados mostraram que seis dos 10 participantes aprenderam a relacionar as pinturas com os pintores correspondentes. Esses seis participantes também generalizaram, ou seja, acertaram as tentativas mesmo quando as pinturas apresentadas não foram treinadas anteriormente. No estudo 2, outros 10 participantes (quatro mulheres e seis homens) foram expostos à mesma sequência de treinos e testes supracitada, sendo a única diferença que em vez de utilizar como estímulos “Gauguin” e suas pinturas, foi utilizado “Picasso” e suas pinturas. No estudo 2, oito dos 10 participantes passaram a categorizar as pinturas de acordo com os pintores de maneira adequada, mesmo quando as pinturas não tinham sido utilizadas na fase de treino (generalização).

Esse estudo mostrou como metodologias alternativas de ensino podem ser utilizadas na aprendizagem de categorização e, especialmente, na categorização de pinturas e seus autores. Uma possível limitação (não apontada pelos autores) foi o uso de estilos diferentes nas três categorias: pós-impressionismo com Gauguin, impressionismo com Monet, renascentismo com Botticelli e cubismo com Picasso. Isso possibilita que características comuns das obras possam ter sido utilizadas como base para a categorização, além do treino. De qualquer modo, essa possibilidade deve ser verificada empiricamente. Levando em consideração que existe uma ampla produção utilizando o que chamamos de equivalência de estímulos para ensinar diversas habilidades, não é surpresa que a categorização de pinturas seja também possível com o uso dessa metodologia.

Ficou interessado?

O artigo: Ferreira, P. R. S., Cruz, S. A., Sampaio, W. M., Teodoro, J. V., Correia, L. L., & Santos, E. L. (2018). Interaction between equivalence and categorization in the recognition of paintings. The Psychological Record, 68(4), 477-488. doi: 0.1007/s40732-018-0291-2

Anúncios