0

As doenças negligenciadas do Brasil

O medo de uma doença viral, mais conhecida como febre amarela, tem deixado a população brasileira em estado de alerta. Em um cenário que envolve: macacos morrendo, pessoas doentes, filas quilométricas nos postos de saúde e a falta de certeza se haverá vacina para todos.

Mas hoje não falaremos desta doença, a febre amarela já foi discutida em um outro post deste blog. Hoje falaremos de outras doenças virais transmitidas por mosquitos.

As arboviroses, ou doenças transmitidas por arbovírus, são ameaças constantes em países tropicais, como o Brasil. Fatores como: mudanças climáticas, desmatamento, migração, crescimento desordenado de áreas urbanas e condições sanitárias precárias, amplificam os vírus e seus vetores, favorecendo a transmissão de doenças.

No Brasil foram isolados, aproximadamente, 200 espécies diferentes de vírus, dos quais 40 podem causar doenças em humanos. As doenças virais transmitidas por mosquitos mais conhecidas são: zika, dengue, chikungunya e febre amarela. Mas existem outras, menos notificadas, negligenciadas e que são menos discutidas na literatura e, consequentemente, aparecem menos na mídia.

Estas doenças são: Oropouche, Mayaro e Rocio. Todas elas tem um sintoma em comum: febre alta. Não existem testes específicos para essas doenças. O que torna o seu diagnóstico difícil e por vezes são subnotificadas.

Oropouche

Esse vírus foi isolado pela primeira vez no ano de 1955 em Trindade e Tobago. Cinco anos depois o vírus foi encontrado no Brasil em uma amostra de bicho-preguiça. Desde essa época o vírus tem causado surtos epidêmicos na região Amazônica, principalmente nas cidades de Manaus e Belém.

O vírus é transmitido entre hospedeiros vertebrados, podendo infectar mamíferos e aves. Ele é transmitido por espécies silvestres de mosquitos e pelo Culicoides paraensis, popularmente conhecido como borrachudo.

Oropouche é considerada uma das doenças mais importantes nas Américas, especialmente na região da Amazônia Brasileira. Pesquisas indicam que cerca de 500 mil pessoas podem ter sido infectadas com o vírus Oropouche desde a década de 60.

Em 2002, 128 pessoas de Manaus foram encontradas infectadas pelo vírus, pacientes que tiveram o diagnóstico inicial de dengue. Provando que o diagnóstico dessa doença é constantemente confundido com outras que apresentam quadro febril do paciente e que são endêmicas na região amazônica, como dengue e malária.

20160429_141543_Richtone(HDR)

Pântano Oropouche – Trindade e Tobago. Fonte: Grueslayer @Wikipedia, CC BY-SA 4.0

Mayaro

A doença conhecida como febre do Mayaro, com sintomas que envolvem: febre, dor de cabeça e dor nas articulações, foi primeiramente identificada em 1954, em regiões silvestres aos arredores da Amazônia. Existem casos esporádicos da doença em seres humanos que habitam próximos a fragmentos de florestas tropicais, pois o vetor que transmite o vírus, mosquitos do gênero Haemagogus, são comuns nestas florestas.

A maior preocupação em relação a esse vírus, é de que ele pode ter se adaptado. Anteriormente, era transmitido apenas por mosquitos silvestres, e agora pode ser transmitido por mosquitos urbanos do gênero Aedes, indicando a possível urbanização da doença. Uma vez que mosquitos do gênero Aedes estão espalhados por todo o continente latino-americano, há razões para se preocupar com surtos dessa doença.

Foi estimado que a transmissão do vírus em Manaus, chegou a cerca de 2 milhões de pessoas. Essa doença pode se tornar um sério problema de saúde pública, pois não possui vacina e o controle de vetores é precário em determinadas regiões.

Rocio

O vírus Rocio, foi isolado de um caso fatal de encefalite em 1975, em uma área da Mata Atlântica. Esse caso foi detectado no surto que durou de 1973-1980 e causou mil casos de encefalite em mais de 20 municípios, resultando em 100 mortes. O ciclo do vírus é mantido por aves que servem de reservatório e transmitido por mosquitos do gênero Aedes e Psorophora. Porém, há pouca informação na literatura a respeito deste vírus.

Doenças negligenciadas

As doenças negligenciadas, ou “esquecidas”, são um conjunto de doenças infecciosas que atingem as populações mais vulneráveis. Essas populações incluem os mais pobres, os mais marginalizados e aqueles com menor acesso à serviços de saúde, especialmente pessoas que vivem em áreas rurais, ou nas periferias de grandes centros urbanos. Todas as doenças citadas no texto se encaixam no perfil de negligenciadas.

Lidar com essas doenças requer uma estratégia integrada com ações multi-setoriais, uma vez que todas elas têm o potencial de se espalhar pelo território brasileiro e ameaçar mais ainda a parte mais vulnerável da população. Além de intervenções com boa relação de custo-benefício para reduzir os impactos negativos que as doenças apresentam para a saúde e bem-estar socioeconômico da população.

Standing up to Chagas at the Paraguayan Chaco

Fonte: MSF – Anna Surinyach

Referências

Lorenz C, Azevedo TS, Virginio F, Aguiar BS, Chiaravalloti-Neto F, Suesdek L (2017) Impact of environmental factors on neglected emerging arboviral diseases. PLoS Negl Trop Dis 11(9): e0005959. https://doi.org/10.1371/journal. pntd.0005959

Informações do Ministério da Saúde

http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-do-mayaro

Informações na mídia sobre as doenças

http://agencia.fapesp.br/virus_oropouche_pode_emergir_e_causar_problemas_de_saude_publica_no_brasil/25696/

https://saude.abril.com.br/medicina/conhece-a-febre-do-oropouche-pois-ela-pode-crescer-no-brasil/

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2018/01/1954737-virus-primos-da-zika-tambem-causam-ma-formacoes-em-fetos-de-roedores.shtml

https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/saiba-que-o-mayaro-virus-transmitido-pelo-aedes-aegypti-que-pode-se-espalhar-20428264.html

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2017/09/1919223-virus-primos-da-dengue-podem-estar-na-ativa.shtml

http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_topics&view=article&id=37&Itemid=40760

Anúncios