0

A biologia da aprendizagem

livros-estudo-dicas-feriado-tiradentes

Fonte: http://www.corujaloira.com/2015/04/18/10-dicas-para-estudar-no-feriado/

Eu adoro estudar. Procuro sempre estar aprendendo algo novo, mesmo que eu não precise saber necessariamente aquele assunto. Quando você se dispõe a aprender algo, na maioria das vezes, será sobre um assunto que você gosta. Eu adoro biologia, literatura, história e vários outros assuntos, mas eu odeio tenho extrema dificuldade em aprender línguas. O problema é que eu preciso fazer um teste de proficiência esse ano e, querendo ou não, eu tenho que aprender de verdade a falar, escrever, escutar e ler em outra língua. Foi nesse cenário que eu comecei a pensar em quais estratégias eu poderia utilizar para tornar meu aprendizado mais eficiente e menos doloroso, por assim dizer. Nesse momento eu fui estudar. Estudei e achei respostas tão interessantes que resolvi trazer algumas das coisas que a ciência diz sobre o aprendizado e compartilhar com vocês. Vamos lá!

Começando pelo início

Bem simplificadamente, quando aprendemos algo novo, essa informação chega em primeira mão a um determinado grupo de neurônios. Esses neurônios então passam essa informação adiante através de impulsos elétricos e impulsos químicos. Esse ato de “passar a informação adiante” possibilita a formação de novas conexões. Cada informação nova é recebida, processada e analisada.

Cada organismo é um universo particular, então o recebimento de informações, os impulsos gerados, as conexões formadas são dependentes de uma série de fatores como aprendizagem anterior, existência de algum tipo de lesão, desbalanço químico, entre outros. Isso significa que não adianta você seguir todas as dicas que os cientistas dão para querer aprender neurociência em um dia se você não lembra nem das aulas de biologia. Ou ainda se você estiver sob forte estresse ou muito triste ou ansiosa(o). Primeiro você precisa resolver isso porque as emoções vão influenciar como e em que velocidade você aprende.

Primeira dica: Faça exercícios!

exercicio-cerebro-730x456

Fonte: http://blogeducacaofisica.com.br/beneficios-do-exercicio-fisico

Diversos estudos sugerem que fazer exercícios aumenta a capacidade de aprendizado. Uma das relações existentes entre exercícios e aumento de aprendizagem é relacionada ao hipocampo. O hipocampo é uma estrutura localizada em ambos os hemisférios cerebrais que possui diversas funções em relação à consolidação da memória e aprendizagem. Praticar exercícios aumenta a formação de novos neurônios no hipocampo (neurogênese), aumenta a “força das sinapses” nessa região (em inglês: Long term potentiation – LTP) e aumenta também a concentração de substâncias neuroprotetoras e antioxidantes que vão proteger o hipocampo de danos.

Além de afetar o hipocampo, praticar exercícios aumenta a autoestima (pelo menos em crianças e adolescentes em idade escolar). Uma melhor imagem de si mesmo faz com que você se sinta mais feliz, menos ansiosa(o) e menos estressada(o). Certamente você estará mais disposta(o) a aprender quando estiver se sentindo bem. Recentemente, um estudo de pesquisadores norte americanos, mostrou que a corrida, especificamente, tem efeitos positivos na memória, mesmo se a pessoa estiver passando por algum tipo de estresse. Segundo esse estudo, a corrida elimina o efeito maléfico do estresse na memória.

Dica número 2: Alimente-se bem!

Muita gente já deve ter ouvido falar sobre o efeito positivo de uma planta chamada Ginkgo biloba na memória. Diversos estudos suportam essa ideia, mas a pergunta que fica é o que o G. biloba tem que pode afetar o nosso cérebro? A resposta é: ele tem flavonoides.

quais-os-beneficios-do-ginkgo-biloba

Fonte: http://www.aiuro.it/benessere/ginkgo-biloba-pianta-proprieta-controindicazioni-e-benefici.html

Flavonoides também podem ser encontrados em grandes quantidades em uva, chá preto, chá verde, cacau e mirtilo. O que eles fazem? Até algum tempo atrás se achava que o potencial benéfico dos flavonoides era devido ao seu poder antioxidante. Atualmente já sabemos que esse potencial vai muito além. Flavonoides podem proteger neurônios vulneráveis, aumentar a função neuronal e estimular a regeneração neuronal. Eles também protegem os neurônios contra danos causados por doenças neurodegenerativas, como Alzheimer. Como os flavonoides podem ajudar em todos esses problemas? Especula-se que eles possam modular cascatas de sinalização intracelular que controlam sobrevivência, morte e diferenciação neuronal. Por exemplo, um estudo de 2007 de um grupo francês mostrou, após 10 anos de acompanhamento, que um maior consumo de flavonoides diminui as chances de sofrer com doenças neurodegenerativas e aumenta a capacidade cognitiva. Alguns estudos também mostram que um tipo especial de flavonoides, as isoflavonas, encontradas na soja, por exemplo, podem melhorar as capacidades cognitivas e memórias de mulheres na menopausa.

Resumindo, a ingestão de flavonoides não vai modificar seu cérebro de um dia para o outro e pode não funcionar se a sua intenção é memorizar todo o conteúdo do semestre para uma prova na semana que vem, mas certamente protege seu cérebro contra possíveis problemas no futuro e pode potencializar aos poucos sua capacidade cognitiva e de memória.

Dica número 3: Relaxe!

papelada

Fonte: http://selmasanttos.blogspot.com.br

Eu sei, essa é uma dica que pode ser muito difícil de ser seguida. Com a vida corrida, milhares de coisas pra fazer, trabalho acumulado, chefe pressionando, artigo para escrever, análises para entregar o mestrado atrasadas, e muitas outras tarefas, relaxar pode parecer impossível. Mas acredite, a ciência diz que todas essas tarefas podem parecer mais fáceis se você tirar um tempo para desestressar. Uma revisão de 2016 compilou  uma série de dados que mostram que estresse crônico está associado com a degeneração estrutural e o mau funcionamento do hipocampo e do córtex pré-frontal. Nós já falamos que o hipocampo está relacionado com a consolidação da memória e a aprendizagem. Já o córtex pré-frontal está envolvido em uma série de funções como tomada de decisões, resoluções de problemas complexos, planejamento, atenção e memória. A boa notícia é que os problemas no cérebro causados pelo estresse não são permanentes. Segundo uma das autoras do estudo, uma professora do departamento de psiquiatria geriátrica da Universidade de Toronto, antidepressivos e exercícios (olha eles aí novamente) podem atuar revertendo a degeneração e o mau funcionamento dessas estruturas cerebrais.

2017.12.13-anna.-coverphoto

Fonte: http://www.bcslogic.com/time-to-relax/

Dica número 4: Durma bem!

Dormir é tudo de bom. Uma boa noite de sono pode resolver muitos problemas, pode te dar novas ideias, pode te fazer relaxar, enfim, só coisa boa. E aquela velha lenda de que podemos aprender algo enquanto dormimos é verdade? Bom, sim e não. Calma que eu já te explico.

Primeiro o “não”. Se você está pensando naquela cena de filme em que uma pessoa coloca uma fita pra tocar sobre algo que ela quer aprender, vai dormir e no dia seguinte acorda expert naquele assunto saiba que isso só acontece nos filmes mesmo. Até hoje não há estudos mostrando que isso seja possível.

Agora o “sim”. Se você considerar que enquanto dormimos, nossa mente se reorganiza e trabalha para formar e consolidar memórias, então de certa maneira, nós aprendemos enquanto dormimos. Um estudo de 2017, feito por cientistas da Alemanha e Suíça, mostrou que algumas áreas do cérebro ficam extremamente ativas enquanto dormimos. Uma estrutura em particular interessou bastante os cientistas: os dendritos. Os dendritos são prolongamentos dos neurônios responsáveis pela recepção dos estímulos nervosos tanto do ambiente, quanto de outros neurônios e na transmissão desses estímulos para o corpo da célula. Os cientistas viram que há alta atividade dendrítica em certos momentos do sono que são importantes na formação e consolidação de memórias. Além disso, os cientistas também puderam ter uma ideia de como estimular esses dendritos em pessoas com dificuldades de aprendizado e memória.

cachorro-dormindo-2-e1490408755270-766x459

Fonte: http://tudosobrecachorros.com.br

Concluindo…

Existem várias estratégias para você aprender mais e melhor. Aqui é importante lembrar que cada indivíduo é único e que algumas táticas funcionam melhor para uma pessoa que para outra. O importante é não se desesperar (olha o estresse aí). Quando você estiver estudando aquele assunto difícil que não entra na sua cabeça de jeito nenhum, pare. Reveja o que você está fazendo, como você está (estressada(o)? Com sono? Com fome?), tente bolar uma estratégia diferente, siga algumas das dicas do texto e não desista. Você certamente é capaz.

 

Referências:

Trudeau F and Shephard R J. Physical education, school physical activity, school sports and academic performance. International Journal of Behavioral, Nutrition and Physical Activity, 2008; 5: 10.

Roxanne M. Miller, David Marriott, Jacob Trotter, Tyler Hammond, Dane Lyman, Timothy Call, Bethany Walker, Nathanael Christensen, Deson Haynie, Zoie Badura, Morgan Homan, Jeffrey G. Edwards. Running exercise mitigates the negative consequences of chronic stress on dorsal hippocampal long-term potentiation in male mice. Neurobiology of Learning and Memory, 2018; 149: 28

Spencer J P E. Food for thought: the role of dietary flavonoids in enhancing human memory, learning and neuro-cognitive performance. Proceedings of the Nutrition Society, 2008; 67: 238.

Letenneur L, Proust-Lima C, Le Gouge A, Dartigues J F, and Barberger-Gateau P. Flavonoid Intake and Cognitive Decline over a 10-Year Period. American Journal of Epidemiology, 2007; 165 (12): 1364.

Linda Mah, Claudia Szabuniewicz, Alexandra J. Fiocco. Can anxiety damage the brain? Current Opinion in Psychiatry, 2016; 29 (1): 56

Julie Seibt, Clément J. Richard, Johanna Sigl-Glöckner, Naoya Takahashi, David I. Kaplan, Guy Doron, Denis de Limoges, Christina Bocklisch, Matthew E. Larkum. Cortical dendritic activity correlates with spindle-rich oscillations during sleep in rodents. Nature Communications, 2017; 8 (1).

Anúncios
0

Lina Stern, neurofisiologista e bioquímica, que nos apresentou melhor o nosso próprio cérebro

Lina Stern nasceu na Rússia, em 26 de agosto de 1878, uma dos sete filhos de um mercante da província de Kurland. Ainda jovem decidiu ser médica, e declarou que sua atração era pela filantropia e não pela ciência, em um primeiro momento. Tentou por dois anos ingressar na Universidade de Moscou, no entanto, isso não era algo alcançável para uma mulher de sua classe social, por isso deixou a Rússia e foi estudar na Suíça, sendo aceita na Universidade de Genebra. Nesse período, a Universidade de Genebra era conhecida por seu liberalismo, e grande parte dos estudantes eram estrangeiros. Em 1900, quase 50% dos alunos eram russos, e na comunidade científica suíça as mulheres eram muito mais bem aceitas do que em outros países nessa mesma época. Ainda na graduação começou a trabalhar no departamento de neurofisiologia, que seria a área pela qual se tornaria reconhecida internacionalmente. Lina Stern é conhecida por descobrir e descrever a estrutura da Barreira-hematoencefálica, estrutura diferenciada dos capilares do Sistema Nervoso que protegem o nosso cérebro, dificultando o acesso de substâncias estranhas a ele.

lina1

Lina Stern no Laboratório de Fisiologia da Universidade de Genebra.

Lina desenvolveu em conjunto com outros pesquisadores de sua época muitos estudos inovadores em fisiologia, incluindo a descrição de descargas elétricas das células cardíacas, mecanismos do sistema nervoso central e autônomo e a fisiologia do sangue. Durante o período de 1904 à 1922, Lina trabalhou com Frédéric Batelli, publicando 54 artigos sobre enzimas respiratórias. Seus estudos foram determinantes para que, 20 anos depois, Adolf Krebs pudesse elucidar toda a rota da respiração celular, consagrando o conhecido (e temido pelos estudantes!) Ciclo de Krebs. O próprio Krebs reconheceu isso, ao receber o prêmio Nobel em 1953. A partir de 1906 se dedicou intensamente a atividade docente, se tornando a primeira professora mulher da Universidade de Genebra.

Lina começou a centrar seus estudos no conhecimento do Sistema Nervoso, e seu primeiro avanço nessa área foi a descrição de funções do nosso cerebelo, região reconhecida do encéfalo como centro do equilíbrio e dos movimentos voluntários, e também dedicou muito tempo ao estudo do líquido cefalorraquidiano (LCR ou líquor) que envolve a medula e o cérebro e age como protetor e lubrificante de todo o sistema. As observações de Lina e de outros cientistas sobre as diferenças de concentrações de substâncias no LCR e no sangue, fizeram a cientista pensar em como esses compartimentos eram mantidos tão bem isolados, enquanto o sangue é denso, vermelho e com alta concentração de proteínas e células, o líquor é límpido, incolor, com baixa densidade celular e baixa concentração de proteínas. Em 1921, Lina inseriu o termo “blood-brain barrier” (BBB), ou no português, barreira-hematoencefálica (BHE), sugerindo que essa barreira era a responsável por estabelecer as diferenças entre o sangue e o líquor, e também contribuía para a homeostase do tecido cerebral. Ela desenvolveu estudos pioneiros com animais recém-nascidos demonstrando a imaturidade da barreira-hematoencefálica e sua contribuição na segurança de fármacos, sendo convidada a se tornar consultora científica de uma grande indústria farmacêutica.

Apesar da prosperidade e da carreira conquistada na Suíça, Lina acreditava que era mais necessária em seu próprio país. Lina retornou a sua terra natal, então chamada de União Soviética, em 1924 foi convidada a assumir uma cadeira de fisiologia na Segunda Universidade Estadual de Moscou. Lina se dedicou inteiramente ao desenvolvimento da ciência, ministrando os cursos de fisiologia e bioquímica, e trabalhando em dois laboratórios de pesquisa, sendo que publicou nesse período 49 artigos em revistas russas, francesas e alemãs. Em 1929, se tornou diretora do Instituto de Fisiologia da Rússia, apresentando ao mundo, de forma completa, seus estudos sobre a barreira-hematoencefálica.

lina2

Representação esquemática da BHE e foto de Lina Stern em 1929, dos arquivos do Instituto Smithsonian.

Lina nunca quis desacelerar sua carreira. Ela estudou como o estresse, a privação de sono, atividade física e o uso de fármacos interferia na barreira-hematoencefálica e como isso afetava a função cerebral, fazendo grande avanços em neuroendocrinologia, respostas imunes e inflamatórias no sistema nervoso, metabolismo de drogas e neurotoxicidade. Em 1934 recebeu título de “Distinta Cientista da União Soviética” e como prêmio, um carro! Em 1939, foi eleita membro da Academia de Ciências, tornou-se editora-chefe de uma revista científica e recebeu o título de “Eminent Woman of Europe”.

Em 1950, Lina, com então 71 anos, e outros cidadãos russos, foram presos, acusados de espionagem para os Estados Unidos, e ela passou 3 anos e 8 meses, em condições desumanas e sofrendo tortura, na prisão. Muitos dos companheiros de Lina foram executados, e ela foi condenada ao exílio no Cazaquistão, onde passou apenas dez meses, em razão da morte de Stalin, o que atenuou sua pena.

Durante sua prisão, Lina pedia aos guardas papel e canetas e continuou escrevendo suas ideias e hipóteses sobre a barreira-hematoencefálica e o desenvolvimento do cérebro, e com 76 anos, após o exílio, continuou suas pesquisas. Ela faleceu em 1968, após uma vida de muito trabalho, contribuindo de forma incalculável para o avanço da neurofisiologia.

Referências:

Levent Sarikcioglu. Lina Stern (1878–1968): an outstanding scientist of her time. Childs Nerv Syst (2017) 33:1027–1029;

Alla A. Vein. Science and Fate: Lina Stern (1878–1968), A Neurophysiologist and Biochemist. Journal of the History of theNeurosciences: Basic and Clinical Perspectives. 2008.

0

Oscilações e sintaxe: entendendo a relação entre a atividade cerebral e a estrutura linguística das frases

A nossa capacidade de armazenar informação por um curto intervalo de tempo está relacionada com o que chamamos “memória de trabalho”. Se alguém te diz um número de telefone e você precisa memorizá-lo temporariamente até poder anotá-lo, você está utilizando esse tipo de memória. No entanto, a quantidade de informação que somos capazes de armazenar parece estar relacionada com o tipo:números, rostos, palavras, etc. Em particular, quando a mensagem é transmitida através da leitura, os cientistas costumam comparar duas situações distintas:  palavras memorizadas formando  uma relação lógica entre si  versus  palavras em uma lista de itens descorrelacionados. Imagine que, por uma razão qualquer, você precisa memorizar uma sequência de 10 palavras. Qual das duas sequências abaixo você acha que seria mais fácil de lembrar?

Dez estudantes felizes viajaram para uma bela praia nas férias

Arroz vestido correm cidade duas carro cor pular ontem feio

Provavelmente a série que forma uma frase da qual você consegue extrair um contexto é a mais fácil de ser memorizada. De fato existe um número típico de palavras que uma pessoa consegue facilmente armazenar (aproximadamente 6) mas este número pode ser bem maior se as palavras formarem uma frase.

Essa distinção entre o processamento mental durante a leitura de uma frase e a leitura de lista de palavras é bastante útil para estudar propriedades sintáticas da estrutura linguística, ou seja, as relações formais entre as palavras numa frase. De acordo com diversos linguistas, a estrutura sintática das frases envolve a criação de estruturas hierárquicas (conhecidas como estruturas “tipo árvore” como a que é mostrada na figura 1). Graças a essas estruturas, subconjuntos de palavras podem ser agrupados para formar, por exemplo, o sujeito da frase. Assim temos que [[dez estudantes] felizes] poderiam ser agrupados como “eles”; ou [uma bela praia] poderia ser agrupada como “lá” ou “um lugar”. Assim, apesar das palavras aparecerem de maneira linear e sequencial, nossa compreensão se dá através de agrupamentos (chamados em inglês de nested phrases).

Se essas teorias estiverem corretas poderíamos, em princípio, ser capazes de observar como o nosso cérebro constrói essas estruturas e o que acontece com a informação armazenada temporariamente nas diferentes regiões corticais após o agrupamento de palavras. Onde e quando estamos aglomerando toda essa informação? Em outros termos, qual a diferença na nossa atividade cerebral quando compreendemos (lendo ou ouvindo) uma lista de palavras e uma frase?

Esse é o tipo de perguntas que une linguistas, neurocientistas e físicos. E uma das maneiras mais atuais de abordar essa questão é através de análise de dados cerebrais (ou usando o termo da moda: neuroimagem). Três artigos super recentes (dois já publicados [1,2] e um que ainda está no bioarxiv [3]) trataram essa questão analisando a atividade cerebral de pessoas durante a seguinte tarefa: ler palavras apresentadas sequencialmente em uma tela com intervalos de centenas de milissegundos. Veja detalhes do experimento realizado [1] na Figura 1.

6_PNAS

Modificado da referência [1]. Exemplo de uma frase utilizada na tarefa (e sua estrutura tipo árvore) e de uma lista de palavras (que não possui uma estrutura hierárquica). Exemplo da potência da atividade cerebral em cada série relativa ao momento em que a última palavra apareceu. Note que as cores vermelhas indicam um crescimento da atividade no final da frase (t=0) que não ocorre no final da lista de palavras. Uma comparação entre as regiões do cérebro em que a atividade aumenta no fim da frase, da lista e a comparação entre os dois casos.

Em uma primeira etapa, cada uma das 80 séries da tarefa as palavras apresentadas formam apenas uma lista descorrelacionada com 3 a 10 palavras. Dois segundos após a última, uma nova palavra aparece na tela e a pessoa deve responder se aquela palavra pertence à primeira lista. Na segunda parte do experimento as palavras formam uma frase de tamanho variável. Dois segundos após a última palavra uma nova frase menor é apresentada e a pessoa deve dizer se esta frase menor tem o mesmo sentido da primeira. Usando o exemplo anterior teríamos algo como:

Dez estudantes felizes viajaram para uma bela praia nas férias ……(2 seg) ….. Elas foram

Arroz vestido correm cidade duas carro cor pular ontem feio ……(2 seg) ….. cidade

O segundo experimento reportado [2,3] é um pouco diferente, mas, em termos gerais, visa comparar lista de palavras e frases. Os três artigos analisaram as oscilações da atividade cerebral no fim da última palavra de cada série e perceberam que certos padrões estavam relacionados à faixa de frequências analisada. Esses resultados parecem convergir para a ideia de que as oscilações em diferentes frequências desempenham papéis diferentes ao longo da leitura.

Um dos grupos [1] descobriu que em diversas áreas do cérebro relacionadas à linguagem a componente da atividade cerebral filtrada em frequências de 70 a 150 Hz (chamada banda de frequência gama entre neurocientistas) cresce sucessivamente com o aparecimento de novas palavras da frase. A mesma, entretanto, decresce subitamente quando uma palavra finaliza uma expressão, podendo ser usada para o agrupamento de uma ideia (por exemplo após a palavra “praia“ na expressão “uma bela praia”). Em particular essa faixa de frequência está relacionada com a atividade elétrica dos neurônios. Em outras regiões corticais, como a mostrada na figura 1 podemos ver que após a última palavra numa frase (que ocorre no tempo t=0) a potência do sinal aumenta bastante (em vermelho), mas o mesmo não ocorre para o fim da lista de palavras. Além disso, o aumento da atividade é proporcional ao número de palavras na frase, e não ao número de palavras na lista.

O segundo grupo [2,3], por sua vez, mostrou que de maneira geral a resposta cerebral à lista de palavras é diferentes da resposta à frase em várias faixas de frequências: teta (~4-7 Hz), alfa (~8-12 Hz), beta (~13-29 Hz) e gama (>30 Hz). Os autores sugerem que cada banda seria responsável por uma tarefa cognitiva diferente: theta facilitaria relembrar o contexto léxico, alfa e beta reflletiriam a unificação semântica. Para eles a informação sintática também seria codificada por alfa e beta, enquanto que para o primeiro grupo a informação sintática (o agrupamento em estruturas hierárquicas) estaria relacionada com gama. Finalmente, o segundo grupo sugere que gamma está relacionada com a capacidade de predição da palavra seguinte numa frase de acordo com o contexto. Além disso, os autores mostraram [3] que o fluxo de informação no final da frase entre as regiões envolvidas em tarefas relacionadas a linguagem é dado esquematicamente pela Fig 2. Este é, possivelmente, o primeiro estudo mostrando a direcionalidade da informação na rede formada pelas regiões corticais relacionadas à linguagem! E muitos acreditam que foram mudanças evolutivas nessa rede que deram aos humanos a capacidade de desenvolver uma linguagem mais rebuscada que a de outros animais. Portanto, muitos outros trabalhos nessa linha devem aparecer por aí.

6_brain

Modificado da referência [3]. A figura mostra esquematicamente a direção do fluxo da informação medido através da causalidade de Granger. Um fluxo unidirecional de informação do córtex parietal (em verde) para o córtex temporal posterior (em vermelho) e deste para o córtex temporal anterior e para o córtex frontal (azul). Além de uma interação bidirecional entre os dois últimos.

Referências

[1] Nelson, Matthew J., et al. “Neurophysiological dynamics of phrase-structure building during sentence processing.” Proceedings of the National Academy of Sciences (2017): 201701590.

[2] Lam, Nietzsche HL, et al. “Neural activity during sentence processing as reflected in theta, alpha, beta, and gamma oscillations.” NeuroImage 142 (2016): 43-54.

[3] Schoffelen, Jan Mathijs, et al. “Frequency-specific directed interactions in the human brain network for language.” bioRxiv (2017): 108753.

3

A dificuldade do debate feminista quando ele bate à sua porta

tirinha_feminismo2

Tirinha por: @lacunainkk

Não entendo muito sobre o universo feminista. O que sei é o que leio de diversos textos que aparecem para mim e estou longe de ser uma expert. Mas se você se interessar, textos muito mais esclarecedores sobre seu significado e história podem ser lidos nesse mesmo blog. Porém, mesmo não conhecendo todas suas vertentes, me considero uma feminista. Apesar de frequentemente pensar sobre o assunto, só recentemente comecei a debater sobre feminismo e empoderamento das mulheres mais abertamente. Seja com os amigos, colegas de trabalho, família, namorado… Independente de com quem esteja conversando, a dúvida sempre aparece… “estou sendo chata?”, “estou exagerando?”, “será que estou sendo hipócrita?”. Não sei para vocês, leitores, mas junto com esse debate mais questões aparecem.

Faço doutorado em uma área que tenta entender o sistema nervoso, principalmente observando o comportamento. Assim, no meu laboratório, temos muita curiosidade sobre o comportamento humano. Discutimos sobre novas descobertas nesse campo. Debatemos também sobre filosofia da ciência e como devemos sempre questionar as teorias, as “verdades” sobre o mundo. Principalmente porque a ciência é feita por nós, pessoas criadas em certa sociedade, com certa cultura, certas crenças e descrenças, ou seja, enviesadas. Porém, tem sido comum uma reação aversiva de meus colegas de trabalho, homens e mulheres, quando comento algum assunto relacionado ao feminismo. Piadas e ironias são utilizadas para matar o assunto tornando difícil de me fazer entender. A impressão que tenho é que estou insistindo em algo do passado, quando as mulheres eram “realmente” reprimidas. Mas que agora tudo mudou, pois veja só, você está aqui em uma Universidade, fazendo doutorado, sendo ouvida por homens….Quer mais o quê?

O triste é que eu gostaria de simplesmente debater e não pregar uma ideia. Eu também estou em processo de formação de opinião. Não estou falando que eu mesma não faço julgamentos de valores. Por exemplo, sinto uma ponta de orgulho quando falam que eu tenho qualidades masculinas. Quando pensei nisso fiquei meio chocada, pois percebi que características como ser mais fria, independente, desencanada são mais valorizadas e, pior, consideradas masculinas. Do outro lado, características como ser mais sensível, mais compreensiva, são muitas vezes desvalorizadas, principalmente em ambientes de trabalho, e tidas como femininas. Qual o parâmetro para isso?  É essa expectativa de gêneros e estereótipos que mais me incomoda. Assistam o vídeo da maravilhosa Chimamanda Adichie para ter uma ideia mais clara.

Sim, é claro que existem diferenças biológicas entre o sexo feminino e masculino, mas isso não significa que devemos criar expectativas ou julgar as pessoas levando em conta somente essas duas, digamos, “formas”. Além de fatores biológicos, fatores psicológicas e socioculturais influenciam a todo momento a formação da identidade de uma pessoa.

Um artigo publicado em 2011 (Joel, 2011; para ler ou para assistir vídeo do TED ) expõe isso de forma bem interessante. Algumas características do cérebro são distintas dependendo do sexo, como tamanho, composição de neurotransmissores, densidade de dendritos, etc. Porém, não há evidências conclusivas de que isso levaria a uma significativa diferença comportamental e cognitiva  entre o sexo feminino e masculino. Além disso, observou-se que fatores ambientais, como o estresse, podem modificar essas características. Ou seja, um cérebro com uma característica “feminina”, após exposto a estresses, passaria a expressar uma característica “masculina”. Assim, o artigo questiona a frequente classificação do cérebro em uma forma dentre duas: feminina e masculina. Sugere-se, então, considerar o cérebro como uma composição heterogênea de características “feminina e masculina”, isto é, um cérebro intersexo podendo possuir uma gama de “formas”. Levando isso em conta parece meio inútil falar de papéis de gênero, identidade de gênero e expectativa de gênero considerando somente o feminino ou masculino. Os estereótipos são criados, a cultura é criada, por nós, pessoas. E, se é possível que características do cérebro se modifiquem, nossa mentalidade também pode mudar.

Entendo que existem diversos tipos de feminismo. Alguns mais radicais, outros nem tanto. Mas é fato que ainda existem tratamentos e expectativas diferentes para homens e mulheres. Parece que quanto mais lutamos por direitos e liberdade, mais sobrecarregadas ficamos. Pois conquistar o mercado de trabalho, espaço intelectual, liberdade sexual não ocorreu ao mesmo tempo que outras mudanças. Ainda é esperado das mulheres que casem, tenham filhos, cozinhem, lavem, e ainda ganhando menos para trabalhar o mesmo que os homens. Do mesmo modo, expectativas também existem para homens. Muitas vezes já vi homens sensíveis e carinhosos sendo escrotos e objetificando mulheres por pura pressão social. Sabe aquele cara que muda o comportamento quando está com amigos? E se…considerarmos que todos somos um poço de preconceitos que foram acumulados ao longo de anos? Que fomos expostos a informações construídas desde quando nascemos, sobre como devemos ser, nos comportar, nos vestir, etc.? Se não questionarmos porque julgamos e reprimimos pessoas e comportamentos, não será possível mudar e melhorar. Assim, a troca de experiências e questionamentos faz parte do desenvolvimento de opiniões pessoais, não somente da formação de teorias científicas. No trabalho de um cientista ele precisa ler, se informar e formar opiniões baseada em fatos, pensar criticamente e não ter preguiça de ir buscar mais informação. Por que não ter essa mesma conduta quando deparado com um assunto tão relevante quanto qualquer outra teoria científica, o feminismo?

Para mim, o objetivo do feminismo não é todo mundo ser igual e, menos ainda, as mulheres serem supervalorizadas. As diferenças de sexo e gênero devem ser consideradas e cultivadas…de forma igualitária. Como fazer isso? Sei lá…talvez começando por questionar tudo, que nem Descartes fez. Vamos duvidar de tudo para chegar em alguma “verdade” sobre nós e a sociedade em que vivemos?

Referências inspiradoras: