“O dia depois de amanhã” pode ser real?

Modelos climáticos finalmente sugerem que colapso da circulação do Oceano Atlântico não só é possível, como levaria o continente Europeu a uma nova “Era Glacial”.

Fonte: Setor norte da Circulação/Célula de Revolvimento Meridional. Jack Cook, Woods Hole Oceanographic Institute.

 

Filmes de ação e thrillers apocalípticos, como “O dia depois de amanhã” de Roland Emerich, vêm retratando consequências catastróficas de um eventual colapso da circulação do Oceano Atlântico há pelo menos 20 anos. Até recentemente, no entanto, nenhum modelo climático havia sido capaz de reproduzir tal colapso.

Esse padrão de circulação, conhecido como Circulação de Revolvimento Meridional  (Atlantic Meridional Overturning Circulation – AMOC), é de extrema importância para a manutenção do clima global, na medida em que atua no balanço de calor. A AMOC transporta pela superfície águas quentes do equador em direção aos pólos e, em profundidade, águas frias dos pólos em direção ao equador¹. A comunidade científica acreditava na estabilidade desse padrão até janeiro de 2017, quando um artigo² publicado na revista Science Advances apontou erros em diversos modelos climáticos que estariam superestimando essa estabilidade. Ao neutralizar esses erros e efetuar novas simulações, os autores reproduziram o colapso da circulação em algum momento no futuro, o que paralisaria o transporte dessas águas quentes em direção à Groenlândia e culminaria no resfriamento de todo o continente Europeu.

Como cenário para as simulações, os autores utilizaram variações nas concentrações de CO2, o principal vetor do aquecimento global antropogênico³. As simulações finais apontaram o colapso da AMOC como sendo 300 anos depois que as concentrações de CO2 na atmosfera dobram a concentração de 355ppm (nível registrado em 1990). O efeito desse colapso seria o resfriamento do Oceano Atlântico Norte (aprox. -2.4° C em média na superfície) e a consequente expansão do gelo marinho do Ártico. Como as trocas de calor entre o oceano e a atmosfera são responsáveis pela manutenção do clima, a temperatura do continente Europeu também cairia (em média 7° C), causando profundas mudanças no clima da região ou uma pequena “Era Glacial”.

Essa nova descoberta tem enormes implicações para o campo das Mudanças Climáticas, indo de encontro aos últimos dois relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC). O IPCC até então considera a AMOC “estável e não colapsável”, enquanto admite que ela pode enfraquecer o transporte de calor com o tempo. Nesse sentido, esse estudo contribui, principalmente, na melhora das previsões de cenários climáticos, já que trabalham com os erros intrínsecos dos modelos climáticos mais utilizados. Entretanto, para que se compreendam na totalidade os desdobramentos do colapso da AMOC ainda serão necessários mais estudos que desenvolvam esses novos e interessantes resultados.

Dito isso, se faz necessário mencionar e se posicionar contra a tragédia anunciada que a agenda ambiental prometida pelo novo governo causará a curto e a longo prazo a diversos setores produtivos do Brasil. Durante a campanha, Jair Bolsonaro deixou claro que a agenda ambiental não só não será prioridade, como servidores e órgãos reguladores perderão autonomia de fiscalização e preservação dos recursos naturais brasileiros. Recentemente, foi decidido pelo Itamaraty e pelo futuro chanceler Ernesto Araújo, que a Conferência do clima das Nações Unidas (COP 25) que serviria como local de negociações para implementação do Acordo de Paris deixará de ser sediada no Brasil em 2019 por conta de “restrições fiscais e orçamentárias” e devido ao “período de transição da nova administração”.  O presidente eleito Jair Bolsonaro, que votou a favor da PEC do teto de gastos enquanto deputado federal, diz que teve participação nessa escolha, ou seja, que ela não foi exclusiva do seu chanceler. É no mínimo lamentável que uma decisão dessa magnitude seja tomada por (1) um futuro chanceler que vive na Guerra Fria e acredita que o tema “Mudanças Climáticas” é uma conspiração marxista e puro alarmismo e (2) um presidente eleito que foi multado dentro de uma reserva por pesca ilegal e nunca pagou sua multa. Infelizmente, esse posicionamento tacanha e de negação de evidências científicas tende a retirar o Brasil de sua posição de líder global nas questões ambientais, posição essa que ocupa desde a histórica cúpula climática Rio 92.

Além do perigo a curto prazo para patrimônio natural brasileiro, essa agenda negacionista é uma ameaça para a economia brasileira. Todos os países que implementaram medidas de mitigação para as mudanças climáticas aumentaram seu PIB e geraram empregos. Recentemente, um relatório produzido a pedido do Congresso dos Estados Unidos mostra que 10% do PIB do país será comprometido em função das mudanças climáticas até o fim deste século. O documento mostra que centenas de bilhões de dólares são gastos por conta das políticas ambientais de Donald Trump, cuja agenda econômica orbita em torno dos combustíveis fósseis e negligencia energias renováveis – políticas essas que servem de guia ao presidente eleito Jair Bolsonaro, admirador declarado do presidente americano.

A retirada da candidatura do Brasil para a COP 25 demonstra com clareza o que devemos esperar da agenda ambiental do novo governo: exposição irrestrita dos brasileiros aos riscos e implicações dos efeitos das Mudanças Climáticas. Em tempo, esse posicionamento ameaça a possibilidade de um Brasil forte e soberano no futuro, pois entrega nossos recursos naturais a própria sorte pela má gerência e impacta a economia brasileira. Veremos nossos setores produtivos em dificuldade, danos materiais por conta de desastres naturais aumentando e uma defasagem tecnológica que nos impedirá ou tornará extremamente cara nossa mitigação e adaptação aos efeitos das mudanças climáticas. O Brasil, ao que tudo indica, terá muita dificuldade em sair respirando ao fim desses quatro anos.

 

Referências

¹Talley, Lynne D. “Descriptive physical oceanography: an introduction.” Academic press, 2011.

²Liu, Wei, et al. “Overlooked possibility of a collapsed Atlantic Meridional Overturning Circulation in warming climate.” Science Advances 3.1 (2017): e1601666.

³Stocker, T. F., et al. “IPCC, 2013: climate change 2013: the physical science basis. Contribution of working group I to the fifth assessment report of the intergovernmental panel on climate change.” (2013).

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s