“A notável física brasileira de 25 anos”

O estímulo e o exemplo podem ser armas poderosas para o futuro de uma menina. Uma menina pode se tornar uma física excepcional aos 25 anos quando apoiada pela família e nós podemos nos inspirar com o seu grande exemplo.

Sonja Ashauer nasceu em São Paulo em 1923, filha de pais alemães e de mente bem aberta para época, ajudaram a fortalecer o espírito científico dessa jovem. Na adolescência, Sonja contava com um mini-laboratório montado pelo seu pai, onde ela detinha toda a liberdade de realizar experiências. Todo esse apoio a levou a entrar no curso de física da USP e graduar-se bacharel em 1942, tendo sido juntamente com Elisa Frota-Pessoa, que se graduou em física no mesmo ano na Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, a segunda mulher a se graduar em Física no Brasil.

Sonja_Ashauer

Sonja Ashauer. Fonte: wikipedia

 

Logo em seguida iniciou o curso de licenciatura que finalizou em 1944 e sendo imediatamente contratada como a primeira assistente da Cadeira de Física Teórica e Física Matemática de Gleb Wataghin. Neste emprego pôde participar de pesquisas sobre mecânica quântica, em especial, em estatística de núcleos e partículas elementares em temperaturas extremamente altas. Segundo o professor Silvio Salinas, em um trabalho publicado nos Anais da Academia Brasileira de Ciências, Sonja calculou o coeficiente de absorção de radiação para o efeito fotoelétrico.

Com uma bolsa do British Council, Sonja Ashauer iniciou seu doutorado em Cambridge em 1945 sob orientação do Prêmio Nobel de Física de 1933, Paul Dirac.

Dirac_3

Paul Dirac. Fonte: Wikipedia

Mulheres não eram aceitas em Cambridge até meados do século XIX e na época de Sonja só era permitido cursar o bacharelado, portanto o seu doutoramento foi um dos primeiros concedidos pela universidade para uma mulher.

Dirac não era uma pessoa muito fácil de lidar, vários orientados o abandonaram e até Sonja teve problemas, principalmente pela ausência de supervisão de Dirac, que viajava constantemente. Em troca de cartas com Wataghin ela relata problemas com o tema de sua pesquisa, e ele a tranquiliza e diz que seu cargo continua disponível e que o mais importante era a pesquisa e não o título. Apesar dos problemas ela conseguiu concluir seus estudos em fevereiro de 1948 com a tese “Problems on electrons and electromagnetic radiation”. Infelizmente este trabalho não é de fácil acesso, tendo sua única cópia em Cambridge.

Além do PhD, Sonja se tornou membro da Cambridge Philosophical Society, processo no qual dependia de indicação feita por membro eleito há mais de três anos e a eleição dentro do conselho.

Além de ser uma física extraordinária, ela foi relatada por Sérgio Leite Lopes (um dos maiores físicos brasileiros de todos os tempos) como uma pessoa muito querida que o ajudou muito.

Infelizmente sua trajetória foi interrompida logo no início. No mesmo ano de conclusão do doutorado e volta ao Brasil, Sonja veio a falecer. Em agosto de 1948 Sonja apanhou chuva num dia frio, resfriou-se e não deu muita atenção. Esse resfriado a levou a uma “broncopneumonia, miocardite e colapso cardíaco” que a levou a óbito. No mesmo ano o caderno “Ciência para Todos” fez um artigo sobre a trajetória da “notável física brasileira de 25 anos”, contendo relatos de vários cientistas famosos da época.

As cientistas feministas já fizeram uma linda homenagem pra essa mulher inspiradora, segue essa ilustra maravilhosa que merece ser vista periodicamente.

11903898_1603224503263928_4986020345974288170_n

Ilustração feita pelas Cientistas Feministas em homenagem a Sonja Ashauer.

 

Boa parte do conteúdo deste artigo foi retirado do livro Mulheres na física: Casos históricos, panorama e perspectiva, montado por pesquisadores do Brasil e que apresenta este e outros casos de maneira mais detalhada. Outros documentos fundamentais para a composição da biografia de Sonja foram suas cartas com Wataghin, que podem ser encontrados no acervo da USP (http://acervo.if.usp.br/index.php/declaracao-de-marcello-damy-de-souza-santos-sobre-sonja-ashauer).

Referências

[1]http://memoria.cnpq.br/pioneiras-view/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/902653;jsessionid=C9A8A8C4B643C3848E9A546B6DF95D2B?p_p_state=pop_up&_56_INSTANCE_a6MO_viewMode=print

[2] Mulheres na Física: Casos históricos, panorama e perspectiva. Elisa M.B. Saitovitch, Renata Z. Funchal, Marcia C. B. Barbosa, Suani T.R. de Pinho e Ademir E. de Santana. Livraria da Física, 2015.

Anúncios

Um comentário sobre ““A notável física brasileira de 25 anos”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s