Como estarão a Antártica e o Oceano Austral em 2070?

 

r384SYGQSgCVaQ50DhEm4A_thumb_88f5

Foto: Iceberg no Setor Atlântico do Oceano Austral. OPERANTAR XXXIII. Natalia Ribeiro

Apesar de ser uma das regiões mais remotas do planeta, a Antártica está completamente acoplada ao restante do sistema climático terrestre. As teleconexões oceânicas e atmosféricas se comunicam com as variações do clima das baixas às altas latitudes, influenciando a atmosfera polar, a estabilidade das plataformas de gelo, o gelo marinho e a própria biosfera. Dada a influência da Antártica e do Oceano Austral no aumento do nível do mar, clima e ecossistemas marinhos em geral, mudanças na região trazem consequências generalizadas para o planeta e para a humanidade. Por conta da situação política do continente e do oceano, que são divididos e regulados por um conjunto de países através do Tratado Antártico, todas as decisões dependem de esforço global e, portanto, estão idealmente atreladas aos interesses de todos e não somente a uma nação. Dessa forma, as decisões tomadas no presente, serão as responsáveis por como será o mundo do futuro para as crianças de hoje.

Em um estudo publicado recentemente na revista Nature, pesquisadores discutem dois cenários sob a perspectiva de um observador do futuro, baseado nas decisões tomadas 50 anos antes. (1) No primeiro cenário, as emissões de gases do Efeito Estufa não foram controladas, o clima segue esquentando e as decisões tomadas para responder às mudanças climáticas foram inefetivas de forma geral. (2) No segundo cenário, ações ambiciosas foram tomadas para limitar as emissões de gases do Efeito Estufa e para estabelecer políticas que reduzissem a pressão antropogênica sobre o ambiente. Para desenvolver esses cenários foram utilizados dados quantitativos de modelos climáticos para variáveis físicas e químicas e, quando não era possível (ex. avaliação da situação dos sistemas biológicos e sociais), foi feita uma análise heurística, baseada no entendimento dos processos e respostas conhecidas de mudanças passadas.

Screen Shot 2018-07-01 at 3.47.09 PM

Fig. 1 | Antártica e Oceano Austral em 2070, sob os cenários de “baixas emissões/ações efetivas (esquerda) e “altas emissões/ações fracas” (direita).

(1) Antártica em 2070 sob altas emissões, segundo nosso viajante do futuro:

“Observando os 50 anos anteriores, fica claro que os últimos 50 anos se desenvolveram de acordo com o esperado pelo 5˚ Relatório do IPCC (2013). A demanda por alimentos e energia aumentou devido ao crescimento populacional e foi suprida por intensa atividade agrícola, principalmente sustentada por combustíveis fósseis e desmatamento. Isso, aliada à falta de regulação das emissões, acabou por aumentar ainda mais as emissões de gases de efeito estufa.

A temperatura média do ar já é mais de 3.5˚C mais alta que no fim do século XIX, o que excede os 2˚C recomendados pelos acordos climáticos internacionais (como o Acordo de Paris). A temperatura do Oceano Austral aumentou 1.9˚C o que, aliada à dessalinização por conta do aumento da precipitação, causou profundas mudanças na circulação dos oceanos e colapso de plataformas de gelo tanto do oeste como do leste da Antártica. Os icebergs gerados são cuidadosamente monitorados por conta do aumento do tráfego de navios na área, tanto de turismo como navios de pesca e navios comerciais. A melhora do acesso ao continente, aumentou consideravelmente a pesca. Rapidamente a sobrepesca de algumas espécies base alterou as cadeias tróficas, diminuindo o número de predadores de topo (como os pinguins) e ferindo a biodiversidade da região. Espécies invasoras no continente, especialmente de plantas, também são uma realidade.

O aumento do nível do mar já causa mais de 1 trilhão de dólares de prejuízo por conta de 27 cm de aumento, e as taxas esperadas para os próximos anos consideram um aumento de 10m irreversível, números similares ao último período de deglaciação da Terra.

As alianças começam a dar sinais de desgaste. Muitas discussões sobre criação de espécies marinhas e, principalmente, mineração, e como esses recursos poderiam ser divididos entre as nações causam conflitos que parecem ser irreversíveis. A conservação vai perdendo a importância e a Antártica hoje é tratada como um Parque Nacional ou reserva ambiental, vivendo precariamente do balanço entre turismo, lucro possível e conservação da biodiversidade.”

(2) Antártica em 2070 sob baixas emissões, segundo nosso viajante do futuro:

“Embora as perspectivas de ação global eficaz para mitigar as emissões parecessem sombrias em 2015, a subsequente ratificação do acordo climático das Nações Unidas em Paris (Acordo de Paris) por 196 países, anunciou uma nova era de cooperação internacional para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A redução mais rápida do que o previsto nos custos das energias renováveis ​​desencadeou uma rápida transição do carvão. Um aumento na magnitude e frequência de eventos climáticos extremos que afetam grandes populações e economias destacou a vulnerabilidade generalizada e convenceu os tomadores de decisão a aumentar sua ambição de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, com o forte envolvimento de cidades, regiões e empresas. Como resultado dessas políticas, a ampliação dos feedbacks de carbono não foi acionada, e estamos agora no caminho para manter o aquecimento bem abaixo da meta de 2°C. Novos caminhos financeiros ajudaram a criar um mercado de carbono funcional e equitativo, que é um incentivo para a rápida transição para uma economia de baixo carbono. Líderes empresariais e gestores de fundos começaram a apreciar as oportunidades financeiras e outros co-benefícios da transição associada à descarbonização, e as novas tecnologias permitiram o sequestro seguro e eficiente e, por fim, a remoção de gases de efeito estufa da atmosfera. O amplo reconhecimento dos perigos do uso irrestrito de combustíveis fósseis inspirou mudanças nos padrões de consumo no mundo desenvolvido, incluindo mudanças em dietas baseadas em plantas mais sustentáveis ​​e mudanças na agricultura e práticas de uso da terra. A disponibilidade de energia renovável de baixo custo permitiu que os países em desenvolvimento fornecessem energia acessível e diminuíssem a pobreza.

A temperatura do ar e demais aspectos da atmosfera, como o padrão de ventos, se mantiveram muito similares aos padrões de 50 anos atrás. As tendências de aquecimento e dessalinização no Oceano Austral observadas no início do século XXI foram se reduzindo até reverterem entre 2020 e 2050. As plataformas de gelo ficaram menos expostas às águas quentes, mas essa mudança não aconteceu rápido o suficiente para preservar as plataformas do oeste da Antártica. Quanto às plataformas do leste da Antártica, mais volumosas, estas se mantiveram relativamente intactas. O aumento do nível do mar foi de 6cm e continua principalmente sendo derivado da expansão térmica. O gelo marinho também retraiu, mas apenas 15%.

Em relação à biodiversidade, a estrutura continua muito parecida com a de 50 anos atrás e as espécies invasoras continuam controladas, principalmente porque a relativa estabilidade da  temperatura manteve o ambiente inóspito para as espécies que dominam os outros continentes. As ações mitigatórias também foram efetivas em diminuir a taxa de acidificação dos oceanos, preservando a biodiversidade dependente de cálcio e aragonita.

Como reflexo dos bons resultados do Acordo de Paris e motivadas por uma apreciação mais clara das ameaças à região e o valor global de uma melhor compreensão da Antártica e suas ligações com latitudes mais baixas, as nações envolvidas reafirmaram o compromisso de manter a Antártida como uma reserva natural para a paz e ciência.”

E o presente?

Os dois cenários são altamente especulativos e, segundo os autores, a intenção do estudo prioriza mais catalisar a discussão do que fazer previsões diretas para o futuro. A principal lição é que as escolhas feitas na próxima década irão determinar que trajetória seguiremos enquanto humanidade e que, apesar de o caminho da preservação e mitigação não ser fácil, ele é possível.

 

 

____________________________________________________________________________________________

Referências

Rintoul, S.; Chown, S.; Deconto, R.; England, M.; Fricker, H.; Masson-Delmotte, V.; Naish, T.; Siegert, M. and  J. Xavier. 2018. Choosing the future of Antarctica. Nature, 558, 233 – 241.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s