Crise dos antibióticos e superbactérias: como nos proteger? – Parte 1.

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma lista monster-426994.jpgde bactérias resistentes para as quais necessitamos urgentemente de novos antibióticos. Essas bactérias resistentes, também conhecidas como superbactérias, tornaram-se resistentes à maioria (ou a todos) os antibióticos disponíveis no momento. No caso de uma infecção por alguma superbactéria, não temos atualmente tratamento suficiente para controlar a infecção, o que pode causar a morte do doente. [1]

Quando pensamos nessas superbactérias entramos em pânico e começamos a procurar meios de nos proteger dessa ameaça. Em geral, nossa primeira atitude é entrar no supermercado e comprar sabonetes, produtos de higiene pessoal e de limpeza doméstica com antibacterianos (por vezes chamados de antimicrobianos ou antissépticos). Estes produtos possuem compostos químicos que prometem reduzir ou prevenir infecções e matar 99,9% das bactérias. Porém, mal sabemos que esse é um dos erros graves que cometemos e, com esta atitude,  promovemos o aumento da quantidade das temidas superbactérias. [2]

E como isso acontece? É simples. Quando lavamos as mãos com um sabonete antibacteriano, exterminamos as bactérias que são sensíveis a este composto químico, mas deixamos para trás as bactérias que são resistentes a ele. Estas bactérias sobreviventes – que antes eram uma minoria – multiplicam-se, e assim se forma uma população maior de bactérias resistentes.

De acordo com a FDA (agência reguladora dos alimentos e dos medicamentos nos EUA), cientistas comprovaram que os sabonetes com antibacterianos (ex. triclosan ou triclocarban) não possuem maior eficiência na prevenção de doenças quando comparados aos sabonetes comuns. Além disto, estes dois compostos químicos podem trazer riscos à saúde quando usados diariamente. [2]

A FDA alerta que estudos com animais demonstraram que o triclosan altera os níveis de hormônios tireoidianos e pesquias em andamento investigam o potencial carcinogênico dessa substância. [3] Outros trabalhos científicos demonstraram que o triclosan é tóxico especialmente para espécies aquáticas, as quais apresentaram alterações hormonais, neurais e inflamações após longa exposição ao produto. Estudos epidemiológicos mostraram a presença do triclosan em tecidos do corpo humano, no leite materno, na urina e no plasma sanguíneo, porém não se sabe ao certo quais são os efeitos desta substância a longo prazo. [4]

Por conta dos ricos à saúde, a FDA proibiu em setembro de 2016 o uso do triclosan e de mais 18 compostos químicos usados como antibacterianos em fórmulas de sabonetes, produtos de higiene pessoal e limpeza. [5] Para quem se perguntou sobre os desinfetantes para as mãos a base de álcool (mínimo de 60%), respirem aliviados, apenas observem se antimicrobianos não foram adicionados à fórmula. [6]

faucet-1581573

Para finalizar, a FDA aconselha a higienização das mãos e do corpo com sabonete comum (e água) e enfatiza que este é o melhor método para evitar doenças e prevenir a propagação de bactérias. [2]

(No próximo texto – parte 2 – falarei de outras atitudes que podemos tomar para evitar a resistência microbiana e nos proteger das superbactérias).

Por Aline R.S.

 

Referências:

[1] http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2017/bacteria-antibiotics-needed/en/

[2] https://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm378393.htm

[3] https://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm205999.htm

[4] http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10937404.2017.1281181

[5] http://www.npr.org/sections/health-shots/2016/09/02/492394717/fda-bans-19-chemicals-used-in-antibacterial-soaps

[6] http://www.businessinsider.com/do-hand-sanitizers-cause-antibiotic-resistance-2014-4?international=true&r=US&IR=T

Anúncios

Um comentário sobre “Crise dos antibióticos e superbactérias: como nos proteger? – Parte 1.

  1. Pingback: Crise dos antibióticos e superbactérias: como nos proteger? – Parte 2 | cientistasfeministas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s