O Alzheimer e a poluição do ar: estariam os nossos cérebros contaminados?

dependent-826332

Quando pensamos em poluição do ar, os primeiros riscos que nos vêm à cabeça são: alergias, doenças respiratórias, câncer de pulmão, acidente vascular cerebral (AVC, derrame) e doenças cardíacas.1 Infelizmente, mais um risco entrou para esta conta: a doença de Alzheimer, causa mais comum de demência irreversível.2,3

Entre os fatores de risco para desenvolver a doença de Alzheimer estão: idade avançada, histórico familiar e, a mais recente descoberta científica, exposição à poluição do ar.4

Nos dias de hoje, as cidades estão cercadas de fontes de poluição do ar5, como: veículos (queima de combustíveis fósseis)6, indústrias (exaustão de fumaça tóxica)7, áreas agrícolas (agrotóxicos e fertilizantes), mineração (ex. crime ambiental de Mariana e pó preto no estado do ES)8,9, e até mesmo dentro das nossas casas (produtos de limpeza, tintas, fumaça de cigarro).

Muitas vezes conseguimos até ver a poluição, principalmente quando estamos em uma cidade grande, como São Paulo, depois de muitos dias sem chuva. Porém, a maioria das partículas que contaminam o ar é invisível a olho nu, uma vez que são ultrafinas, podendo ser até 200 vezes menores que a largura de um fio de cabelo humano!4 Aí é que mora o perigo.

Partículas pequenas assim passam inclusive pelos filtros de ar mais sofisticados e acabam chegando às nossas narinas. A partir daí elas podem percorrer vários caminhos dentro do nosso corpo, chegando aos pulmões, corrente sanguínea e também ao cérebro. O dano cerebral pode ocorrer de forma direta, quando as partículas atravessam as células nervosas do bulbo olfatório e atingem o cérebro; ou de forma indireta, quando as partículas se acumulam em outros órgãos, desencadeando a liberação de moléculas inflamatórias que, pela corrente sanguínea, alcançam o cérebro.4

Essas partículas e moléculas inflamatórias levam o organismo a produzir as placas senis, ou seja, levam à formação de placas insolúveis compostas pela proteína beta amilóide. Estas placas protéicas impedem a transferência de sinais (sinapse) entre os neurônios, levando-os à morte.10 Com a morte dos neurônios, formam-se lesões cerebrais que levam à doença de Alzheimer.11

Conforme a perda de sinal entre os neurônios avança, a pessoa afetada começa a sofrer gradualmente os seguintes sintomas: perda de memória recente, redução de raciocínio lógico, dificuldade de completar tarefas simples, confusão mental, dificuldades visuais e espaciais, problemas para falar e escrever, redução da capacidade crítica, afastamento do convívio social, mudanças de humor e de personalidade.12

Infelizmente, ainda não temos a cura para a doença de Alzheimer, apenas medicamentos que retardam o agravamento dos sintomas.2 Porém, com esta nova descoberta científica, sabemos que a poluição é um dos fatores de risco para o desenvolvimento da doença e, que neste caso, podemos dar a nossa contribuição. Então, para reduzir a poluição do ar:

– Utilize transporte público sempre que possível;

– Economize energia elétrica (principalmente quando ela for produzida pela queima de combustíveis fósseis);

– Reduza o consumo de produtos, reuse tudo o que puder, recicle ou doe o que você não usa mais, e recuse-se a comprar coisas com muita embalagem ou das quais você não precisa;

– Exija, do seu governo e governantes, políticas de energia limpa, como: eólica, solar e geotérmica;

– Use eletrodomésticos que consumam menos energia.

Para mais informações e ações para previnir (ou adiar) e tratar a doença de Alzheimer, acesse as páginas: Associação Brasileira de Alzheimer, Associação do Alzheimer e Drauzio Varella.

 

Texto por: Aline R.S.

Referências:

1 http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/More/MyHeartandStrokeNews/Air-Pollution-and-Heart-Disease-Stroke_UCM_442923_Article.jsp#.WKQt0fkrI2w

2 http://www.alz.org/br/demencia-alzheimer-brasil.asp

3 http://www.dementia.com/causes.html

4 http://www.sciencemag.org/news/2017/01/brain-pollution-evidence-builds-dirty-air-causes-alzheimer-s-dementia?utm_source=newsfromscience&utm_medium=facebook-text&utm_campaign=brainpollution-10708

5 http://www.conserve-energy-future.com/causes-effects-solutions-of-air-pollution.php

6 http://www.dft.gov.uk/vca/fcb/cars-and-air-pollution.asp

7 http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/explosao-em-fabrica-de-fertilizantes-gera-fumaca-toxica-e-preocupa-moradores-de-cubatao/5559229/

8 https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2016/11/06/um-ano-de-marina-maior-desastre-ambiental-do-brasil-deixa-duras-licoes.htm

9 http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2016/01/entenda-o-que-e-o-po-preto-que-polui-o-ar-e-o-mar-de-vitoria-ha-anos.html

10 http://www.nature.com/tp/journal/v7/n1/full/tp2016280a.html

11 http://www.brightfocus.org/alzheimers/infographic/amyloid-plaques-and-neurofibrillary-tangles

12 http://www.alz.org/10-signs-symptoms-alzheimers-dementia.asp

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s