Nise da Silveira: mulheres nos caminhos da Reforma

Em um tempo não muito distante, loucura já foi sinônimo de prisão. Estamos passando por um grande processo, a Reforma Psiquiátrica, que é definida pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) como o processo histórico de formulação crítica e prática que tem como objetivos e estratégias o questionamento e a elaboração de propostas de transformação do modelo clássico e do paradigma da psiquiatria.

Esse processo é amplo, contínuo e com grandes possibilidades de diferentes atuações. Teve grande impulso no contexto da redemocratização, com um olhar voltado para a crítica estrutural. Voltou-se contra a lógica manicomial, considerando o aprisionamento não como recurso terapêutico, mas sim como enlouquecedor.

Tais ideais e ações tiveram um importante respaldo da psiquiatra Nise da Silveira que, enfrentando todos os obstáculos de ser mulher e fomentar uma ideologia revolucionária, foi fundamental para concretizações na luta antimanicomial. Nise reorganizou a seção de Terapia Ocupacional no Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro, reinventando a prática em Saúde Mental e ressignificando os fazeres cotidianos, valorizando-os. Em um trecho de entrevista concedida à uma revista acadêmica de Psicologia, ela mesma diz: Criamos oficinas, e nas oficinas os pacientes criavam com toda a liberdade.”

nise

Foto de Natasha Prado, no Instituto Nise da Silveira, atual Hotel da Loucura, RJ.

Atualmente, construímos todos os dias a política de desinstitucionalização. E o que é isso? Desinstitucionalizar, é romper com o imaginário de que o hospital é o detentor do cuidado em Saúde Mental .

Em lugar disso, é proposta a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), com a Portaria MS nº 3.088, de 23/12/2011. A RAPS está em consonância com a Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas e tem como missão promover a oferta qualificada de atenção integral e continua, produzir transformação nas realidades sociais, assegurar tratamentos específicos para cada demanda (equidade), em compromisso com autonomia e  garantia de direitos humanos e de cidadania, atuando no cuidado em liberdade. Esse delineamento de cuidado é valorizado pela Organização Mundial da Saúde e pela Organização Panamericana de Saúde, segundo documento recente do Ministério da Saúde.

Ainda há muito a se trilhar nesse caminho de construção de um cuidado em liberdade, voltado para a Saúde e não para a Doença. Ainda há muitas mulheres a compor essa história e a enfrentar as incessantes tentativas de olhar voltado à linguagem racional. Juntas seguiremos nesse enfrentamento e possivelmente inspiradas por palavras de Nise: “Se a própria pessoa diz que está tomada pelas imagens, por que você vai continuar buscar entendê-la exclusivamente através de uma linguagem racional? Ela não vai te entender. Se importa ela em responder: que horas são? que dia é hoje? E outras perguntas semelhantes do mundo externo valorizadas pela psiquiatria tradicional. No prontuário de Fernando Diniz, muitas vezes encontrei escrito: desorientado no tempo e espaço. Entretanto Fernando Diniz lia livros de física atômica.”

Fontes:

Tania Mara Galli Fonseca. Profanando um arquivo da infâmia: imagens da Loucura. Mnemosine Vol.11, nº2, p. 313-320 (2015).

MINISTÉRIO DA SAÚDE; Portaria MS 3088, de 23/12/2011, Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

MINISTÉRIO DA SAÚDE; Relatório de Gestão 2011-2015, Saúde Mental no SUS: cuidado em liberdade, defesa de direitos e Rede de Atenção Psicossocial. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2015. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/junho/27/Relat–rio-Gest–o-2011-2015—.pdf

Santos LGP. Nise da Silveira- Entrevista. Psicol. cienc. prof. vol.14 no.1-3 Brasília  1994. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931994000100005

 Sugestão de Leitura:

– Arte, saúde mental e atenção pública: traços de uma cultura de cuidado na história da cidade de São Paulo. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702016000200431&script=sci_arttext

 Indicação de Filme:

Nise, o coração da loucura

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s