Síndrome de impostor

Talvez em algum ponto da sua vida você já tenha se questionado se “merece” estar onde chegou. Até aí tudo bem, muitas pessoas também devem se perguntar isso vez ou outra. O que não é normal é que, a cada feito, conquista e/ou realização sua você pense que foi por acaso, sorte e que logo vão descobrir que na verdade você é uma fraude. Se você se sente assim, saiba que não está sozinha(o): é bem provável que você sofra de síndrome de impostor!

O que é síndrome de impostor?
O termo “síndrome de impostor” foi cunhado em 1978 pelas psicólogas Pauline R. Clance e Suzanne A. Imes e definido como “uma experiência interna de falsidade intelectual, que parece ser particularmente prevalente e intenso em uma amostra de mulheres bem-sucedidas”. O termo inicialmente se aplicava a mulheres, mas hoje se sabe que homens também podem sofrer desse mal (em porcentagem menor). O termo vem sendo usado para definir aqueles indivíduos com uma incapacidade de aceitar suas realizações e com um medo persistente de serem expostos como uma fraude. Embora não seja tida como uma desordem psicológica, a síndrome de impostor tem sido alvo de diversos estudos.

Síndrome de impostor na Academia
As sociólogas Jessica L. Collett e Jade Avalis conduziram uma pesquisa na Universidade de Notre Dame com 461 estudantes de doutorado, dos quais 46% eram mulheres. Elas descobriram que mais mulheres do que homens (11% versus 6%) que aspiravam a seguir na carreira acadêmica desistiram. Para elas, isso está relacionado a síndrome de impostor.

Em áreas onde ainda predominam mais homens que mulheres, a pressão sobre elas pode ser ainda mais forte. Ter uma orientadora, no entanto, nem sempre ajuda: o estudo conduzido por Collett mostrou que um número significativo das entrevistadas afirmou sentir que nunca será tão boa quanto sua mentora.

Você não está sozinha(o)
Se você se sente assim, saiba que não é a única(o). Até mesmo pessoas consideradas bem-sucedidas pela sociedade sofrem com a síndrome de impostor. A atriz Emma Watson confessou que logo após terminar as filmagens de Harry Potter, sentiu-se uma fraude. Conversar com outras pessoas sobre como você se sente pode ter resultados muito bons. Você vai perceber que boa parte também tem suas inseguranças, seus altos e baixos e que não existe pesquisador-maravilha.

doing-science-photo-u1

Fique tranquila(o): diferente do cãozinho, você está habilitada(o) para desempenhar suas funções!
Legenda da imagem: cachorro em um laboratório de química com a frase “Eu não tenho ideia do que estou fazendo”.

Não se preocupe: se você se sente uma fraude, é bem provável que não seja uma. Se, no entanto, você tem um nível de confiança muito alto, cuidado! Pode ser que você sofra o efeito Dunning-Kruger, ou seja, não percebe sua própria ignorância.

Para saber mais:

Teste (em inglês) para saber se você sofre de síndrome de impostor
http://paulineroseclance.com/pdf/IPscoringtest.pdf

PRICE, Michel. ‘Impostors’ downshift career goals. Disponível em:<http://www.sciencemag.org/careers/2013/09/impostors-downshift-career-goals >.

Anúncios

Um comentário sobre “Síndrome de impostor

  1. Pingback: Pílulas do festival Mulheres do Mundo: feminismo e ciência na veia | cientistasfeministas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s